Atividades

Dilemas agroflorestais e territorialização no Vale do Ribeira

Pesquisa em Foco
Agroecologia quilombola ou quilombo agroecológico?

Voltar para o início Agroecologia quilombola ou quilombo agroecológico?

Programa

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

A pesquisa apresentada neste encontro tem como objetivo realizar uma análise e reflexão sobre as estratégias metodológicas da agroecologia, com o intuito de compreender a forma pela qual lógicas econômicas não capitalistas (camponesa, quilombola e/ou indígena) têm participado e/ou poderiam participar do processo de construção - concepção e execução - deste campo do conhecimento.

Numa busca por caminhos que indicassem as formas de equalizar as relações de poder inerentes ao diálogo de saberes e fazeres previsto na teoria agroecológica, optou-se por analisar a comunidade quilombola do bairro Ribeirão Grande - localizada no Vale do Ribeira, Barra do Turvo/SP - e suas experiências de produção agroflorestal e envolvimento com uma associação/cooperativa agroflorestal reconhecida nacional e internacionalmente, a Cooperafloresta.

O recorte analítico neste território, portanto, compreende a investigação tanto sobre a comunidade quilombola, quanto sobre as estratégias metodológicas da Cooperafloresta.

No decorrer da pesquisa identificou-se a existência de uma tensão entre o saber-fazer quilombola e o saber-fazer agroflorestal. Para compreender o processo de formação deste conflito e analisar as formas de relação estabelecidas no âmbito das experiências agroecológicas, realizou-se: uma análise biográfica da liderança quilombola Nilce de Pontes Pereira do Santos; um histórico e caracterização da comunidade do Ribeirão Grande desde o seu interior; e uma discussão sobre a forma pela qual a Cooperafloresta se constituiu naquele território.

A intersecção entre estas três perspectivas de análise nos permitiu estabelecer cinco constatações, que se orientaram, de forma geral, para a identificação da contribuição da geografia à agroecologia. 

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

(Foto: Monique Kelly)

Palestrantes

Laura de Biase

Laura de Biase

Pesquisadora e consultora. Doutorado em Geografia Humana (FFLCH-USP), atuação nas seguintes áreas: "campesinato e gênero", "comunidades quilombolas", "Agroecologia" e "recuperação de áreas degradadas".
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

22/06/2017 a 22/06/2017

Dias e Horários

Quinta, 19h30 às 21h30

As inscrições podem ser feitas a partir de 24 de maio às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 4,50 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 7,50 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 15,00 - inteira

Inscreva-se agora