Atividades

A trajetória intelectual de Ariano Suassuna e a concepção estética do movimento armorial

Perspectivas
Ariano Suassuna e o Movimento Armorial

Voltar para o início Ariano Suassuna e o Movimento Armorial

Programa

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

Ciclo dedicado às diferentes dimensões e expressões artísticas que integraram a trajetória intelectual de Ariano Suassuna, especialmente, vinculadas ao processo de formação e constituição do Movimento Armorial.

17/10 - Ariano Suassuna e o Movimento Armorial (1970/76): percursos de uma experiência de leitura
O Movimento Armorial foi fundado por Ariano Suassuna em 1970 e tinha a intenção de realizar uma arte autêntica brasileira baseada nas raízes populares. Abordaremos o que era a cultura brasileira para Suassuna e como o escritor construíra seu projeto de Brasil de maneira a localizar as origens da nação no sertão.
A busca por uma identidade brasileira era considerada uma questão extremamente importante para muitos intelectuais e artistas desse período, o que contrasta com as recentes leituras pós-estruturalistas e pós-modernas, quando mencionam a própria ideia de identidade. Entendendo que para compreendermos o presente é preciso interrogar o passado, busca-se apresentar as interpelações sobre o Brasil na época em que o Movimento Armorial foi configurado e analisar o percurso surpreendente e enigmático de Suassuna.
O que seria uma leitura contemporânea do Armorial e de seu principal defensor, tendo como inspiração a frase de Agamben: "ser contemporâneo é, antes de tudo, uma questão de coragem: porque significa ser capaz não de manter fixo o olhar no escuro da época, mas também de perceber nesse escuro uma luz que, dirigida para nós, distancia-se infinitamente de nós"?
Com Maria Thereza Didier.

24/10 - Deslocamentos Armoriais: reflexões sobre literatura, política e dança armoriais
O Movimento Armorial tem tido, antes e após a sua formalização, os resultados estéticos mais variados em diversos campos artísticos.
No entanto, o conjunto mais significativo de suas formulações conceituais esteve sempre a cargo de seu criador e maior incentivador, Ariano Suassuna.
O escritor construiu uma trajetória como artista, professor, teórico e gestor cultural coerente com os princípios armoriales e sua interpretação da cultura brasileira, identificada como uma "Nação Castanha". A palestra discute, por um lado, a complementaridade entre o discurso e obra de Suassuna em relação a seu conceito de "Nação Castanha" e a uma "afirmação épica das identidades populares" (Canclini, 2005), e como seu pensamento se traduz em suas experiências de gestão, literatura e idealização de uma dança armorial.
E, por outro, de que forma, apesar de seu pensamento ser retomado e reforçado nas experiências de dança armorial desde a década de 1970, é também reformulado quando o discurso é restituído ao corpo e aos agentes populares em experiências de dança mais recentes.
Com Roberta Marques.

31/10 - Modernismo e música armorial - um ensaio de perspectiva histórica
Muito já se escreveu sobre quanto o Movimento Armorial e em especial sua música têm em comum com o modernismo brasileiro da primeira metade do século XX. Tanto o linguajar como muito do programa tende a convergir significativamente, e no entanto o resultado artístico, ao menos no caso da música, é marcantemente distinto. A palestra pretende apresentar algumas dessas diferenças e discutir onde os projetos se bifurcam, levando a essas duas músicas tão distintas.
Com Frederico Barros.

07/11 - Construção do "popular" nas produções de Ariano Suassuna e Gilvan Samico
Ariano Suassuna, antes mesmo da consolidação do Movimento Armorial nos anos 1970, já propunha uma forma original de se conceber a estética popular. A palestra aborda as formulações de Suassuna a respeito das gravuras populares vinculando-as à história de sua família nas disputas políticas do Estado da Paraíba nos anos 1920-1930 e prioriza algumas das reverberações das proposições de Suassuna para a obra de Gilvan Samico. Aluno de Goeldi e Lívio Abramo, Samico teve sua produção completamente reinventada a partir de sua aproximação com o Movimento Armorial.
Com Eduardo Dimitrov.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

(Foto: Alexandre Nobrega)

Palestrantes

Frederico Barros

Frederico Barros

Doutor em Sociologia pela USP e professor de Musicologia da UFRJ.
(Foto: Acervo Pessoal)

Maria Thereza Didier

Maria Thereza Didier

Doutora em Teoria Literária e Literatura Comparada pela USP e professora da UFPE.
(Foto: Acervo Pessoal)

Roberta Marques

Roberta Marques

Professora doutora do curso de Dança e do PPG em Artes Visuais da UFPE.
(Foto: Acervo Pessoal)

Eduardo Dimitrov

Eduardo Dimitrov

Professor de sociologia na UNB e doutor em Antropologia Social pela USP.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

17/10/2017 a 07/11/2017

Dias e Horários

Terças, 19h às 21h30

As inscrições podem ser feitas a partir de 27 de setembro às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira