Atividades

Discussão teórica, lançamento de documentário e vivência

Perspectivas
Arpilleras: Atingidas por barragens bordando a resistência

Voltar para o início Arpilleras: Atingidas por barragens bordando a resistência

Programa

Arpilleras é transgressão. A técnica surgiu em Isla Negra, no Chile, e era utilizada pelas mulheres como forma de subsistência. Mas os dias sombrios da repressão militar no país transformaram o bordado em uma verdadeira arma contra o governo comandado por Augusto Pinochet.

Com as roupas dos parentes desaparecidos, mulheres do subúrbio de Santiago denunciaram as diversas violações de direitos humanos cometidas contra aqueles que se colocaram contra o regime comandado por Augusto Pinochet. De trabalho invisível à ferramenta política.

A partir de um afazer cotidiano, as chilenas conseguiram se transformar em protagonistas da resistência contra a ditadura.

Esta mesma técnica vem sendo resgatada aqui no Brasil desde 2013. Mulheres de diversas regiões utilizaram a costura para contar as violações cometidas na construção de barragens.

24/10 - Arpilleras: histórico de resistência
A partir de um resgate histórico das arpilleras, será abordado o caráter transgressor desta técnica têxtil popular chilena, analisando algumas das caraterísticas do seu uso e apropriação por parte das mulheres parentes de desaparecidos/as durante a ditadura militar chilena (1973 - 1990).

Tradicionalmente relegadas a um papel feminino, doméstico e subalterno, as mulheres chilenas transformaram as arpilleras em verdadeiros atos de transgressão, subversão e resistência a partir da quebra de todos os seus elementos técnicos, estéticos, conceituais e narrativos.

O caráter embaixador das arpilleras, e como têm transcendido o seu propósito, espaço e tempo no qual se originaram, inspirando outras mulheres no mundo todo, será ilustrado a partir da experiência desenvolvida no Brasil pelo Coletivo de Mulheres do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

25/10 - Lançamento do filme "Arpilleras: Atingidas por barragens bordando a resistência"
Exibição seguida de bate-papo.

26/10 - Vivência prática de Arpilleras

Com Esther Vital, Marta Caetana do Espírito Santo e Marina Calisto Alves.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Tony Boyle © Conflict Textiles)

Palestrantes

Esther Vital

Esther Vital

Psicóloga e mestre em transformação de conflitos pela Universidade de Dublin. Desde 2008 trabalha pesquisando e promovendo processos de documentação e empoderamento através da técnica têxtil popular chilena chamada arpilleras.
(Foto: Acervo Pessoal)

Marta Caetana do Espírito Santo

Marta Caetana do Espírito Santo

Lavradora, atingida pela PCH Fumaça no Rio Gualaxo do Sul.
Militante do Movimento dos Atingidos por Barragens.
(Foto: Acervo Pessoal)

Marina Calisto Alves

Marina Calisto Alves

Estudante de Agronomia na Universidade Federal do Ceará (UFC), bolsista do projeto "Mulheres Atingidas por Barragens construindo o conhecimento agroecológico em áreas rurais do semiárido nordestino" e atingida pela barragem Castanhão na região de Jaguaribara/Jaguaretama, interior do Ceará.
Militante do Movimento dos Atingidos por Barragens.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

24/10/2017 a 26/10/2017

Dias e Horários

Terça a Quinta, 19h30 às 21h30

As inscrições podem ser feitas a partir de 27 de setembro às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira