Atividades

A experimentação em processos alternativos de produção da fotografia

Contextos
Uma Breve Filosofia da Fotografia Estenopeica

Voltar para o início Uma Breve Filosofia da Fotografia Estenopeica

Programa

A proposta do curso é abordar a fotografia estenopeica não apenas como uma brincadeira de criança ou como um método eficiente para aprender os princípios básicos da fotografia, mas valorizá-la como uma técnica capaz de subverter o padrão convencional de produção da fotografia tradicional.

Uma proposta que coloca a fotografia estenopeica adiante do lúdico, com todo o seu potencial de questionar e gerar novos processos de criação no campo da fotografia.

O curso tem o propósito de refletir acerca da homologia percebida em boa parte da fotografia produzida hoje em nosso país e suas implicações considerando as determinações das novas tecnologias impostas pela indústria e pelo mercado. O curso, organizado em dois módulos, alterna teoria e prática e propõe o entendimento do processo fotográfico a partir do reconhecimento da câmara escura, do surgimento dos primeiros modelos de câmeras e de suas aplicações pelos pioneiros na linguagem.

Serão produzidos registros estenopeicos a partir de câmeras fabricadas pelos alunos com a utilização dos mesmos, de forma inusitada, em uma performance no final do processo.

Programa

Módulo I
Aula I - Antes da fotografia
- apresentação do enunciado e da proposta de trabalho.
- terminologia: estenopeica e pinhole.
- a câmera escura.
- a caverna de Altamira
- Alhazen, um pioneiro

Aula II - A câmera estenopeica
- a câmera estenopeica e sua operação.
- modelos de câmeras - tradicionais e inusitados.
- montagem do modelo de câmera que será utilizado pelos alunos.

Aula III - Produção de Registros
- noções básicas de montagem e uso do laboratório doméstico.
- produção de negativos estenopeicos em papel fotográfico a partir das câmeras montadas pelos alunos.
- revelação e fixação dos negativos produzidos.

Módulo II
Aula I - Fotografia depois do clique
- apreciação dos negativos produzidos.
- produção de positivos a partir do processo digital.
- noções básicas de tratamento e fechamento de arquivo no formato pretendido para impressão.

Aula II - Pioneiros e referências
- apresentação de algumas das principais referências listadas pelo proponente durante sua trajetória incluindo nomes e características de seus trabalhos.

Aula III - Visualizador x projetor
- o visualizador pinhole e sua aplicação tradicional.
- Montagem do visualizador pinhole a partir de materiais disponibilizados para os alunos subvertendo o equipamento.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Paulo Brazyl)

Palestrantes

Paulo Brazyl

Paulo Brazyl

Coordenador do projeto Do Furo ao Pixel, dedica-se desde 2005 ao trabalho de pesquisa e experimentação das mais variadas técnicas de produção, reprodução e difusão da imagem.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

27/11/2018 a 13/12/2018

Dias e Horários

Terças e Quintas, 14h às 17h.

As inscrições podem ser feitas a partir de 25 de Outubro, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira