Atividades

Em que medida Stonewall esteve presente como referência nas lutas LGBT+ no Brasil?

Contextos
50 anos da Rebelião de Stonewall

Voltar para o início 50 anos da Rebelião de Stonewall

Programa

Há exatos 50 anos, no dia 28 de junho de 1969, em Nova Iorque (EUA), eclodiu um levante de LGBT+ contra o constante assédio policial no bar Stonewall Inn.

Capitaneada por pessoas pobres, negras e latinas, que formavam a clientela mais habitual desse bar, a rebelião de Stonewall se tornou um tipo de mito fundador do movimento LGBT+ em todo o mundo e foi consagrado como um marco para as lutas pela diversidade sexual e de gênero.

Foi a partir dela que se começaram a organizar as "Paradas" do orgulho justamente no mês de junho. No ano do cinquentenário desse evento histórico, é fundamental refletir sobre as disputas e tensões envolvidas na construção dessa memória, questionando como e em que medida Stonewall esteve presente como referência nas lutas LGBT+ no Brasil.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Gryffindor)

Palestrantes

James Green

James Green

Historiador, brasilianista e ativista dos direitos LGBT. Professor de História da América Latina da Brown University, em Rhode Island. Autor de "Além do Carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX".
(Foto: Acervo pessoal)

Renan Quinalha

Renan Quinalha

Professor de Direito da Unifesp, advogado e ativista no campo dos direitos humanos. Professor visitante na Unicamp (2018). Coorganizou as obras "Ditadura e Homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade" (EdUFSCar, 2014) e "História do Movimento LGBT no Brasil" (Alameda, 2018).
(Foto: Acervo Pessoal)

Symmy Larrat

Symmy Larrat

Travesti, mulher, feminista. Foi Coordenadora Nacional LGBT no governo Dilma. É PresidenTRA da ABGLT-Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

21/06/2019 a 21/06/2019

Dias e Horários

Sexta, 15h às 18h.

As inscrições podem ser feitas a partir de 28 de Maio, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 4,50 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 7,50 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 15,00 - inteira

Inscreva-se agora