Atividades

Ciclo sobre a relação entre corpo, capitalismo e tecnologia

Ciclo Sobre aquilo que chamamos corpo: perspectivas críticas
A história do corpo-máquina: somatopolítica

Voltar para o início A história do corpo-máquina: somatopolítica

Programa

Análise sobre as estratégias somatopolíticas de desencantamento, disciplinamento e esgotamento operadas pelas três grandes fases do capitalismo (colonização, industrialização e financeirização) que promovem o adoecimento psicofísico generalizado que enfrentamos até então.

Com tudo isso, a partir da experiência pessoal das pessoas participantes, imaginaremos coletivamente maneiras de insurgirmos sensorialmente contra a crise da sensibilidade e a somatização da lógica neoliberal. Essa atividade integra o ciclo “Sobre aquilo que chamamos corpo: perspectivas críticas”

Programa
4/4: Corpo-máquina: somatopolítica neoliberal e a crise da sensibilidade.
Veremos que a história do corpo ocidental(izado) é inseparável da história do capitalismo e de suas tecnologias. Para compreendermos nossos modos de sofrer no contexto neoliberal, investigaremos os primórdios filosóficos do paradigma somático que inaugurou a modernidade, qual seja, o "corpo-máquina", a fim de reconhecermos nossa atual crise da sensibilidade enquanto causa-efeito da mecanização generalizada do viver.

11/4: Corpo desencantado: colonização e a ferida cosmossomática.
Estudaremos a primeira grande fase do capitalismo, investigando o processo de "desencantamento do mundo" como um de seus principais mecanismos de controle, cuja astúcia está em operar, além da violência física, do racismo e da escravização, uma "catástrofe metafísica", a fim de divorciar, íntima, sensorial e simbolicamente, o corpo da natureza, o ser do cosmos, o saber do sentir, a matéria do espírito, naturalizando, daí em diante, o individualismo.

18/4: Corpo disciplinado: industrialização e a burocratização do sentir.
Veremos que a segunda grande fase do capitalismo, além da "caça às bruxas" que erradicou toda e qualquer relação mágica com a vida, opera um disciplinamento psicofísico do proletariado, substituindo as maneiras espontâneas de desfrutar o corpo pelo princípio da utilidade. Calculando constantemente seus desejos e ações, por meio do autocontrole e da burocratização do sentir, o corpo disciplinado sentirá prazer com sua obediência resignada, dispondo-se a vigiar e punir demais sujeitos dissidentes.

25/4: Corpo esgotado: financeirização e o curto-circuito desejo-mercado.
Perceberemos que as estratégias de acumulação de riqueza, no contexto de financeirização, voltam-se contra a subjetividade e a sensibilidade. O neoliberalismo descobre que é possível instrumentalizar os desejos, ao invés de cerceá-los, transformando nossas sensações e emoções na mercadoria-prima do capital digital. Assim, nossos corpos esgotados desconhecem estratégias de revitalização, porque a fadiga que sentimos não é apenas muscular. Diante desse enigma psicossomático, para encerrar o ciclo, imaginaremos coletivamente maneiras de insurgirmos contra a "servidão maquínica" e a "crise da sensibilidade" que nos desvitaliza diariamente.

As inscrições podem ser feitas a partir das 14h do dia 28/3 no site do Centro de Pesquisa e Formação  do Sesc, através do app ou presencialmente em qualquer unidade do Sesc São Paulo. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

O pagamento pode ser feito através do cartão de crédito, débito ou em dinheiro. Trabalhamos com as bandeiras Visa, Mastercard, Elo e Hipercard.

Ao término do curso, você poderá solicitar sua declaração de participação pelo e-mail declaracao.cpf@sescsp.org.br
A declaração será encaminhada em até 30 dias

O cancelamento poderá ser realizado com até 48 horas antes do início da atividade, por email: centrodepesquisa.cpf@sescsp.org.br

(Foto: Divulgação)

Palestrantes

Danilo Patzdorf

Danilo Patzdorf

Artista, educador e pesquisador do corpo. Autor do livro "Sobre aquilo que um dia chamaram corpo: corporalidade nas ambiências digitais" (Ed. Letramento, 2019), é doutor em Arte-Educação (ECA/USP). Por acreditar que a parte mais legal do fazer artístico não é o "mostrar", mas sim o "sentir com", tem se dedicado a criar e conduzir experiências somáticas em grupo para acessarmos coletivamente os estados extra-ordinários de percepção de si, do outro e da realidade, por meio do yoga, da dança e da massoterapia.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

04/04/2024 a 25/04/2024

Dias e Horários

Quinta, 19h às 21h30.

Curso Presencial

Inscrições a partir das 14h do dia 28/3, até o dia 4/4.
Enquanto houver vagas.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira

Inscreva-se agora