Atividades

Os embates do cinema em torno das imagens da ditadura revelam muito sobre as bases atuais da memória de um passado longe de estar encerrado.

Autografias
A luta armada no cinema: ficção, documentário, memória

Voltar para o início A luta armada no cinema: ficção, documentário, memória

Programa

Tradução em Libras disponível. Faça sua solicitação no ato da inscrição, com no mínimo dois dias de antecedência da atividade.


 


Na Semana da Pátria de 1969, organizações armadas contrárias à ditadura sequestraram Charles Burke Elbrick, embaixador dos EUA no Brasil. Com essa ousada ação, maculando a festa nacionalista, MR-8 e ALN chamaram a atenção do mundo para os presos políticos do regime brasileiro. Décadas depois, em tempos democráticos, o cinema retoma esse acontecimento marcante, levantando controvérsias em nada arrefecidas pelo passar dos anos.


Ficção, documentário. Haveria um gênero mais “fiel” ao fato histórico? Embora muito comum, a fidedignidade talvez não seja um dos parâmetros mais frutíferos para se pensar a relação entre cinema e história. Daí entra em jogo um terceiro termo, central nestas reflexões: memória. Pois o embate de versões entre “O que é isso, companheiro?” (Bruno Barreto, 1997) e “Hércules 56” (Silvio Da-Rin, 2006), é um confronto entre ficção e documentário em torno do sequestro do embaixador estadunidense. É sobretudo, uma disputa de memórias. De um lado, o estabelecimento das inocências acerca da ditadura; do outro, a celebração da luta armada.


Neste encontro Fernando Seliprandy fala de seu recém-lançado livro “A luta armada no cinema:  ficção, documentário, memória” (Intermeios, 2015), onde reflete sobre os sentidos do embate entre uma memória que desculpa a sociedade e outra que erige um monumento à resistência.


 


As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do inicio da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Nosso canal no YouTube oferece mais de nossa programação. Fique por dentro.

Palestrantes

Fernando Seliprandy

Fernando Seliprandy


Doutorando em História Social pela USP, onde também concluiu mestrado, no mesmo programa, e graduou-se em História.


Bibliografia

BROOKS, Peter. Melodramatic imagination: Balzac, Henry James, melodrama, and the mode of excess. New Haven; London: Yale University Press, 1995.

 

CAPELATO, Maria Helena et al. História e cinema. São Paulo: Alameda, 2007.

 

CARDOSO, Irene. História, memória e crítica do presente. In: ______. Para uma crítica do presente. São Paulo: Editora 34, 2001. p. 15-40.

 

DA-RIN, Silvio. Espelho partido: tradição e transformação do documentário. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2006.

 

______. Hércules 56: o sequestro do embaixador americano em 1969. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

 

FERRO, Marc. Cinema e história. 2 ed., São Paulo: Paz e Terra, 2010.

 

GABEIRA, Fernando. O que é isso, companheiro? São Paulo: Cia. das Letras, 1997.

 

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: ______. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia. das Letras, 2007. p. 143-179.

 

LEME, Caroline Gomes. Ditadura em imagem e som: trinta anos de produções cinematográficas sobre o regime militar brasileiro. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

 

MORETTIN, Eduardo; NAPOLITANO, Marcos; KORNIS, Mônica Almeida (org.). História e documentário. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.

 

NAPOLITANO, Marcos. A História depois do papel. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Fontes históricas. 2 ed., São Paulo: Contexto, 2006.

 

REIS FILHO, Daniel Aarão et al. Versões e ficções: o sequestro da história. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1997.

 

RICŒUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

 

ROLLEMBERG, Denise. Esquecimento das memórias. In: MARTINS FILHO, João Roberto (org.). O Golpe de 1964 e o Regime Militar: novas perspectivas. São Carlos: EdUFSCar, 2006. p. 81-91.

 

SELIPRANDY, Fernando. Divergência e conciliação: cinema e memória da luta armada no Brasil. Cinémas d’Amérique Latine, n. 21, p. 68-79, 2013. Disponível em: <http://cinelatino.revues.org/221>. Acesso em: 10 fev. 2015.


______. Instruções documentarizantes no filme O que é isso, companheiro? In: MORETTIN, Eduardo; NAPOLITANO, Marcos; KORNIS, Mônica Almeida (org.). História e documentário. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.


______. O monumental e o íntimo: dimensões da memória da resistência no documentário brasileiro recente. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 26, n. 51, p. 55-72, jan.-jun. 2013. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/7195>. Acesso em: 10 fev. 2015.

 

TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir (org.). O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

 

XAVIER, Ismail. A ilusão do olhar neutro e a banalização. Praga Estudos Marxistas. São Paulo: Editora Hucitec, v. 3, set. 1997. p. 141-153.

 

Data

09/12/2015 a 09/12/2015

Dias e Horários

Quarta, 19h às 21h.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

Inscreva-se agora