Atividades

O desmoronamento do imaginário do Paraíso Tropical em várias dimensões e com uma rapidez espantosa

Cursos On-Line
Ascensão e Queda do Paraíso Tropical

Voltar para o início Ascensão e Queda do Paraíso Tropical

Programa

Este seminário visa discutir a ascensão e a queda do mito do "paraíso tropical" atribuído ao Brasil, construído e refinado ao longo de décadas. Presenciamos, no momento, o desmoronamento desse imaginário em várias dimensões e com uma rapidez espantosa.

 

A imagem do Brasil como "paraíso tropical" tem uma longa história, como mostram os estudos de Sérgio Buarque de Hollanda, Gilberto Freyre, Ronaldo Vainfas, Ronald Raminelli e Richard Parker, entre outros. Desde os inícios da colonização, os europeus perceberam os povos indígenas como indolentes e preguiçosos, e não foi muito diferente a imagem que construíram dos negros e negras africanos, muito sensualizados. Por muitos séculos o Brasil foi visto como o país do carnaval, do samba, do corpo, da alegria, das "mulatas sensuais", o que implicava ao mesmo tempo na noção de irracionalidade ou incapacidade política de autogerir-se. 

 

Sem dúvida alguma, já não nos vemos, nem somos vistos, como o país paradisíaco; muito pelo contrário, constatamos a violência crescente tanto nas formas de exploração do trabalho quanto no racismo estrutural que marca fortemente as relações cotidianas, na opressão de gênero, na destruição das florestas e matas, no genocídio que afeta as populações indígenas, negras, pobres, periféricas, na perseguição homofóbica às "minorias", em todo o país. 

 

E seguindo o cineasta Karim Aïnouz: "Acredito que essa pandemia deveria também anunciar o fim daquele mundo, não dá para "voltar ao normal" porque o que vivíamos não era normal. É isso que desejo, que a ruína seja a ruína do sistema que vivemos hoje e que o futuro aponte para a superação do que está dado." (Entrevista ao IMS, 2020)

Programa

 

20/10. Margareth Rago, professora titular do Departamento de História da Unicamp e Luana S. Tvardovskas, professora doutora do Departamento de História da Unicamp.

 

Mediação de Francisco Alambert, professor doutor do Departamento de História da USP.

 

21/10.  André Duarte, professor doutor do Departamento de Filosofia da UFPR  e Aldo Ambrózio, psicanalista e professor doutor na UFSCar.

Mediação de Luana S. Tvardovskas.

 

22/10.  Jorge Coli, professor livre-docente do Departamento de História da Unicamp e Francisco Alambert, professor doutor do Departamento de História da USP.

Mediação de Margareth Rago.

 

27/10. Marilea de Almeida, professora e pesquisadora, doutora em História Cultural pela Unicamp; Carol Ramkrapes, doutoranda em História Cultural na Unicamp e Patricia Alves, professora e pesquisadora, mestre em História Cultural pela Unicamp.

Mediação de Gabriela Trevisan, mestre em História Cultural pela Unicamp.

 

28/10. Mauricio Pelegrini, doutorando em História na Unicamp e Tony Hara, pós-doutorando em História Cultural na Unicamp.

Mediação de Gabriel Pochapsky, doutorando em História Cultural na Unicamp.

 

29/10. Conferências de Milton Hatoum, arquiteto, professor e escritor, e Margareth Rago.

 

 

Obs: O participante precisa ter celular e computador e conhecer os princípios básicos para uso desses equipamentos. Após a conclusão da sua inscrição on-line na atividade e/ ou curso, você receberá por e-mail um link de acesso à Plataforma Microsoft Teams, onde será realizada a atividade e/ou curso, com até 1 (um) dia de antecedência da data de início. O acesso também poderá ser realizado através do web navegador de sua preferência.

 

As inscrições podem ser feitas a partir das 14h do dia 28/9, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

 

*Este curso será 100% Online. Após o encerramento, será possível solicitar sua declaração de participação, enviando um email para declaração.cpf@sescsp.org.br

 

Palestrantes

Francisco Alambert

Francisco Alambert

Doutor em História Social pela USP, onde é professor no Departamento de História. Foi conselheiro do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico.
(Foto: Acervo pessoal)

 

Luana S. Tvardovskas

Luana S. Tvardovskas

Professora do Departamento de História da Unicamp. Doutora em História Cultural pela Universidade Estadual de Campinas.

Mauricio Pelegrini

Mauricio Pelegrini

Bacharel em Ciências Sociais pela USP, mestre em História Cultural e doutorando em História Cultural pela Unicamp.
(Foto: Acervo Pessoal)

André Duarte

André Duarte

Doutor em Filosofia pela USP. Professor adjunto da UFPR. É autor de Vidas em Risco: crítica do presente em Heidegger, Arendt e Foucault (RJ: GEN/Forense Universitária, 2010); O pensamento à sombra da ruptura: política e filosofia em Hannah Arendt (RJ: Paz e Terra, 2000).

Milton Hatoum

Milton Hatoum

Escritor, tradutor e professor. Lecionou literatura na Universidade Federal do Amazonas e na Universidade da Califórnia (Berkeley). Sua obra de ficção recebeu vários prêmios, foi traduzida em 12 línguas e publicada em 14 países. Em 2018, recebeu em Paris o Prêmio Roger Caillois pelo conjunto da obra.
(Foto: Marcos Alves)

Jorge Coli

Jorge Coli

Professor titular em história da arte e da cultura da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Formou-se em história da arte e da cultura, arqueologia e história do cinema na Universidade de Provença. Doutor em estética pela usp, foi professor na França, no Japão e nos Estados Unidos. Foi também colaborador regular do jornal francês Le Monde. É autor de Música Final; A Paixão segundo a ópera; Ponto de fuga e O corpo da liberdade. Traduziu para o francês Os sertões, de Euclides da Cunha, e Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos. Pelas Edições Sesc São Paulo, participou de Ensaios sobre o medo (em coedição com a editora Senac São Paulo); Mutações: a experiência do pensamento; Mutações: a invenção das crenças; Mutações: elogio à preguiça e Mutações: o novo espírito utópico.
(Foto: Hermano Taruma)

Mariléa de Almeida

Mariléa de Almeida

Doutora em História Cultural pela Unicamp. Realizou doutorado Sanduíche na Universidade de Colúmbia (Nova York), cuja pesquisa  enfocou as experiências teóricas interseccionais dos feminismos negros estadunidenses entre as décadas de 1980 e 1990. É integrante dos seguintes grupos de pesquisa: Gênero, experiência e Subjetividade (Unicamp) e o LabQueer - Laboratório de estudos das relações de gênero, masculinidade e trangêneros (UFRRJ).  É autora do prefácio do livro "Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra, da feminista estadunidense bell hooks" (Ed. Elefante, 2019).
(Foto: Acervo Pessoal)

Aldo Ambrózio

Aldo Ambrózio

Pós-doutorando em História Cultural no IFCHC/UNICAMP. Doutor em Psicologia Clínica pela PUC/SP. Psicanalista pelo Instituto SEDES Spientiae. Professor de Psicologia Social e da Educação no DCHE/UFSCar.
(Foto: Acervo Pessoal)

Patricia Alves

Patricia Alves

Professora e pesquisadora, mestre em História Cultural pela UNICAMP.

Tony Hara

Tony Hara

Pós-doutorando em História da Cultura na Unicamp. É autor de Saber noturno: uma antologia de vidas errantes (Ed. Unicamp, 2017); Ensaios sobre a singularidade (Intermeios, 2012).
(Foto: Acervo Pessoal)

Margareth Rago

Margareth Rago

Professora titular do Depto de História da Unicamp.

Carol Ramkrapes

Carol Ramkrapes

Doutoranda em História Cultural na UNICAMP.

Data

20/10/2020 a 29/10/2020

Dias e Horários

Terças a quintas, das 17h às 19h

Curso 100% online

Local

Em casa

Valores

R$ 21,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 35,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 70,00 - inteira

Inscreva-se agora