Atividades

Celso Furtado e os projetos de desenvolvimento nacional

Conferências e Seminários
Celso Furtado e os 60 anos de Formação Econômica do Brasil

Voltar para o início Celso Furtado e os 60 anos de Formação Econômica do Brasil

Programa

Em janeiro de 1959, Celso Furtado publicou Formação econômica do Brasil, obra que rapidamente se transformou em clássico da literatura econômica e social do país. Ao apresentar uma síntese da história econômica do Brasil, o livro passou a ser leitura obrigatória para cientistas sociais inseridos no debate sobre a história e a economia brasileira, como também uma porta de entrada para estrangeiros interessados em conhecer aspectos da uma sociedade que vivia, em meados do século XX, um processo de intensa transformação.

Para a redação da obra Celso Furtado mobilizou um arcabouço de teoria econômica original para a literatura nacional, produzindo o que se passou a considerar como a obra prima do estruturalismo latino-americano. Como membro da Comissão Econômica para a América Latina - CEPAL, Furtado pode aprofundar sua análise sobre a especificidade da formação das economias latino-americanas, enfatizando a dimensão do subdesenvolvimento.

Por outro lado, tendo escrito o livro durante sua vivência na Universidade de Cambridge, interagindo com renomados economistas como Nicholas Kaldor, Piero Sraffa e Joan Robinson, Furtado também se arvorou em conhecimento resultante da revolução keynesiana, que seria fundamental para que o autor pudesse iluminar o papel do Estado no desenvolvimento nacional.

No campo da história, por outro lado, poucos anos depois de sua publicação, Formação econômica do Brasil se consolidou como uma espécie de roteiro básico para os cursos de história econômica.

A obra que nasceu comprometida com a reflexão sobre a economia brasileira, tornava-se também uma síntese sobre o nosso passado, que pautaria uma ampla agenda de pesquisa nos programas de pós-graduação do país.

Assim, partindo de uma formulação teórica original e de uma sintética interpretação histórica, Celso Furtado constituiu um dos mais relevantes projetos de desenvolvimento nacional do país. Na síntese de Francisco de Oliveira, em A navegação venturosa: ensaios sobre Celso Furtado, "para o erro ou para o acerto, boa parte da política econômica nas últimas cinco décadas é uma discussão em torno das formulações de Formação Econômica do Brasil".

Em suma, se valendo da efeméride dos 60 anos de publicação de Formação econômica do Brasil, o seminário pretende discutir não somente a relevância teórica e histórica da obra consagrada de Celso Furtado, como também avaliar sua contribuição interpretativa para pensar sobre os desafios contemporâneos.

O seminário é uma  parceria com a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) e o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB).

Programação:

6/11

10h às 12h
Mesa 1. Apresentação do filme "O longo amanhecer"
Mediação: Alexandre Barbosa (IEB/USP) e Alexandre Saes (FEA/USP).

14h às 16h
Mesa 2. Formação Econômica do Brasil e o gênero de "Formação"
Com Bernardo Ricupero (FFLCH/USP), André Botelho (UFRJ), Vera Cepêda (UFSCar).

16h30 às 18h30
Mesa 3. Teoria e método em Formação Econômica do Brasil
Com Pedro Dutra Fonseca (UFRGS), Maurício Coutinho (Unicamp) e Roberto Pereira Silva (UNIFAL).

7/11
10h às 12h
Mesa 4. Da história econômica para a economia brasileira: o projeto político de FEB
Com Tania Bacelar (UFPE), Pedro Paulo Z. Bastos (Unicamp), Fernando Rugitsky (FEA/USP).

14h às 16h
Mesa 5. Da economia brasileira para a história econômica: os debates historiográficos herdados de FEB
Com Flávio Versiani (UNB), Alexandre Saes (FEA/USP) e Carlos Alberto Cordovano Vieira (Unicamp).

16h30 às 18h30
Mesa 6. Dos 60 anos de FEB aos 50 anos de A Economia Latino-Americana
Com Rosa Freire D'Aguiar (Centro Celso Furtado), Luiz Felipe Alencastro (FGV/SP) e Ricardo Bielschowsky (UFRJ).

8/11
10h às 12h
Mesa 7. Formação econômica do Brasil e as novas correntes em economia
Com Flávio Saes (FEA/USP), Mauro Boianovsky (UNB) e Fernanda Cardoso (UFABC).

14h às 16h
Mesa 8. FEB no acervo de Celso Furtado
Rosa Freire D'Aguiar (Centro Celso Furtado) e Elisabete Ribas (IEB).

16h30 às 18h30
Mesa 9. A atualidade de Formação econômica do Brasil
Com Carlos Eduardo de Carvalho (PUC/SP), Gilberto Bercovic e Alexandre Barbosa (IEB/USP).

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Fernando Rabelo)

Palestrantes

Alexandre Barbosa

Alexandre Barbosa

Professor Livre-Docente de História Econômica e Economia Brasileira/Internacional do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da Universidade de São Paulo (USP) e participa do Núcleo de Apoio à Pesquisa Brasil-África da USP. Tem se dedicado a pesquisas sobre o mercado de trabalho e desigualdade no Brasil; o pensamento e a prática do desenvolvimento na história brasileira, especialmente a partir da contribuição do economista Rômulo Almeida; e a inserção externa da economia brasileira, com foco nos impactos trazidos pela China e no potencial das relações Sul-Sul. Desde 2016, possui bolsa produtividade do CNPq, nível 2.
(Foto: Acervo Pessoal)

Alexandre Saes

Alexandre Saes

Professor do Departamento de Economia da FEA/USP e do Programa de Pós-Graduação em História Econômica da FFLCH/USP. Possui graduação em Ciências Sociais pela UNESP/Fclar (2003) e Doutorado em História Econômica pelo Instituto de Economia da Unicamp (2008). É coordenador do curso de Economia da FEA/USP e Vice-Diretor da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin - BBM/USP.
(Foto: Acervo Pessoal)

André Botelho

André Botelho

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Professor Associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Pensamento Social Brasileiro e Teoria Sociológica. Pesquisador do CNPq (PQ), é ainda membro da coordenação da Biblioteca Virtual do Pensamento Social (BVPS) e editor responsável de Sociologia & Antropologia (PPGSA/UFRJ).
(Foto: Acervo Pessoal)

Bernardo Ricupero

Bernardo Ricupero

Professor Doutor do DCP-USP, possui graduação em Ciências Sociais(1993), mestrado em Ciência Política (1997) e doutorado em Ciência Política (2002) pela Universidade de São Paulo e pós-doutorado pelo Colégio do México (2014). Tem experiência na área de Ciência Política, com ênfase em História do Pensamento Político, dedicando-se principalmente aos seguintes temas: pensamento político brasileiro, pensamento político latino-americano, marxismo, nacionalismo e romantismo.
(Foto: Acervo Pessoal)

Carlos Alberto Cornovano Vieira

Carlos Alberto Cornovano Vieira

Graduação em Economia pela Universidade de São Paulo (FEA-USP); mestrado e doutorado em Desenvolvimento Econômico e História Econômica pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-UNICAMP). Professor e pesquisador do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-UNICAMP). Temas de estudo: transição do feudalismo ao capitalismo; estado absolutista, capital mercantil e sistema colonial; economia colonial e formação econômica do Brasil; imperialismo e pensamento brasileiro.

Carlos Eduardo de Carvalho

Carlos Eduardo de Carvalho

Graduado em Ciências Econômicas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1983) e Doutor em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1996). Atualmente é Professor Associado da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Departamento de Economia e Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp, PUC/SP). É professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal do ABC - UFABC.
(Foto: Acervo Pessoal)

Elisabete Ribas

Elisabete Ribas

Possui graduação em Letras e mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada, ambos pela FFLCH-USP. Tem Especialização em Organização de Arquivos pelo Instituto de Estudos Brasileiros-USP, instituição em que atualmente trabalha, compondo a equipe técnica do Serviço de Arquivo. Na área de organização de acervos, atua com documentação permanente e acervos pessoais.
(Foto: Acervo Pessoal)

Fernanda Cardoso

Fernanda Cardoso

Professora adjunta da UFABC, é doutora em Economia do Desenvolvimento pelo IPE-FEA-USP (2012), mestre em Economia da Indústria e da Tecnologia pelo IE-UFRJ (2008) e graduada em Economia pela Universidade de São Paulo (2005). Atua principalmente nos seguintes temas: Desenvolvimento Econômico, História Econômica Brasileira e História do Pensamento Econômico.
(Foto: Acervo Pessoal)

Fernando Rugitsky

Fernando Rugitsky

Professor do Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP) e pesquisador associado do Núcleo Direito e Democracia do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP). É doutor (PhD) em Economia pela The New School for Social Research (EUA), mestre em Direito Econômico pela USP e bacharel em Economia e em Direito pela mesma instituição. Dedica-se, principalmente, ao estudo de Macroeconomia, Economia Política e Economia do Desenvolvimento.
(Foto: Acervo Pessoal)

Flávio Saes

Flávio Saes

Graduação em Economia pela Universidade de São Paulo (1971), mestrado em Economia pela Universidade de São Paulo (1973) e doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1977). Atualmente é professor titular da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em História do Pensamento Econômico, atuando principalmente nos seguintes temas: são paulo, moeda, serviços públicos, crédito e energia ferrovias serviços urbanos.
(Foto: Acervo Pessoal)

Flavio Versiani

Flavio Versiani

Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Minas Gerais (1963), Master of Arts in Economics - Vanderbilt University, EUA (1968) e PhD in Economics - Vanderbilt University, EUA (1971). Estágios pós-doutorais na Yale University, EUA e University of London, Inglaterra. Professor Titular do Departamento de Economia da Universidade de Brasília (1993). Professor Emérito, Universidade de Brasília (2012). Área principal de pesquisa: História Econômica, atuando principalmente nos seguintes temas: processo de industrialização e economia escravista.
(Foto: Acervo Pessoal)

Gilberto Bercovici

Gilberto Bercovici

Professor Titular de Direito Econômico e Economia Política da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Departamento de Direito Econômico, Financeiro e Tributário). Graduado em Direito pela Universidade de São Paulo (1996), é Doutor em Direito do Estado pela Universidade de São Paulo (2001) e Livre-Docente em Direito Econômico pela Universidade de São Paulo (2003). A ênfase da sua produção está voltada para as áreas de Direito Econômico, Economia Política, Teoria do Estado, História do Direito Público e Teoria da Constituição, desenvolvendo pesquisas em torno dos temas de Estado e Subdesenvolvimento, Desenvolvimento Econômico, Papel do Estado na Economia, Política Econômica e Soberania.

Luiz Felipe de Alencastro

Luiz Felipe de Alencastro

Possui graduação no Institut d'Etudes Politiques d'Aix-en-Provence (1970), doutorado em Histoire Moderne et Contemporaine - Université Paris-Ouest Nanterre la Défense (1986) e Livre-Docência em Historia Econômica na Unicamp (1994). Pós-doutorado na Universidade de Paris IV Sorbonne (1995-1996).
(Foto: Acervo Pessoal)

Maurício Coutinho

Maurício Coutinho

Doutor em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (1984). Professor titular da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Economia do Setor Público, com ênfase em Finanças Públicas Brasileiras, inclusive Previdência Social. Pesquisas e publica na área de História do Pensamento Econômico.

Mauro Boianovsky

Mauro Boianovsky

Possui graduação em Economia pela Universidade de Brasília (1979), mestrado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1989) e doutorado em Economia - Cambridge University (1996). Atualmente é professor titular da Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em História do Pensamento Econômico e foco em macroeconomia, teoria monetaria, crescimento e desenvolvimento economico e desemprego.
(Foto: Isa Lima)

Pedro Dutra Fonseca

Pedro Dutra Fonseca

Doutor em Economia pela Universidade de São Paulo - USP. Pesquisador do CNPq desde 1987. Professor Titular do Departamento de Ciências Econômicas e Relações Internacionais da UFRGS, onde foi Coordenador do Pós-Graduação em Economia, Chefe do Departamento, Diretor da Faculdade de Ciências Econômicas, Presidente da Câmara de Pesquisa, Pró-Reitor de Pesquisa e Vice-Reitor. Foi Coordenador da Área de Economia da CAPES, Diretor-Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (1997-2000) e Presidente da Sociedade Brasileira de Economia Política (2002-2004). Atua como profissional e pesquisador na área de Economia, com ênfase em Economia Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: Desenvolvimento Econômico, Formação Econômica do Brasil no século XX e História do Pensamento Econômico.
(Foto: Acervo Pessoal)

Pedro Paulo Z. Bastos

Pedro Paulo Z. Bastos

Doutorado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (2001). Foi presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores em História Econômica (ABPHE), entre 2009 e 2011, e chefe do Departamento de Política e História Econômica do Instituto de Economia, da Universidade Estadual de Campinas, entre 2008 e 2012. Tem experiência na área de Economia e Economia Política, com ênfase em Crescimento e Desenvolvimento Econômico, Economia Política da Política Econômica, Economia Brasileira Contemporânea e Formação Econômica do Brasil.

Ricardo Bielchowsky

Ricardo Bielchowsky

Professor de economia na UFRJ desde 1975. bacharel (UFRJ, 1972), mestre (UnB, 1975) e doutor (University of Leicester, Inglaterra, 1985) em economia.

Rosa Freire D’Aguiar

Rosa Freire D’Aguiar

Formada em Jornalismo, foi, nos anos 1970 e 1980, correspondente em Paris das revistas Manchete e IstoÉ. desde que retornou ao Brasil trabalha no mercado editorial. Traduziu do francês, espanhol e italiano cerca de cem títulos de literatura e ciências humanas. É autora de Memória de tradutora (Escritório do livro) e editora da coleção arquivos Celso Furtado (Contraponto). recebeu o prêmio da união latina de Tradução Técnica e Científica (2001), o Jabuti de tradução (2009), entre outros.
(Foto: Carlos Will)

Tania Bacelar

Tania Bacelar

Doutorado em Economia Pública, Planejamento e organização do espaço pela Universidade de Paris I, Panthéon-Sorbonne (1979). Exerceu vários cargos públicos e atualmente é professora aposentada da Universidade Federal de Pernambuco, sendo também sócia da CEPLAN Consultoria Econômica e Planejamento.

Vera Cepêda

Vera Cepêda

Mestrado e doutorado em ciência política pela Universidade de São Paulo e pós-doutorado em ciência política pelo IESP/UERJ. Atualmente é professora do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Carlos/UFSCar na graduação, atuando no Programa de Pós-graduação em Ciência Política (PPGPol) e no Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS). Desenvolve pesquisas no campo do pensamento político e social brasileiro, em especial nos temas das interpretações sobre o Brasil, na atuação de instituições, intelectuais e teorias ligados ao problema do desenvolvimento, da democracia e das capacidades e ação do Estado em contexto periférico.

Roberto Pereira Silva

Roberto Pereira Silva

Professor Adjunto no Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Alfenas. Possui graduação em História - Fac. de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP (2006). Mestre em História Econômica pelo Programa de Pós-Graduação em Economia do Desenvolvimento do Instituto de Economia da Universidade de Campinas. Doutor pelo o programa de História Econômica da Fac. de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - USP. Suas pesquisas se concentram nos campos da historiografia econômica, focalizando na produção brasileira no período 1930-1964, com ênfase na obra de Celso Furtado. No momento trabalha as relações entre história e teoria econômica como chave interpretativa para o surgimento da teoria do desenvolvimento de Celso Furtado.

Data

06/11/2019 a 08/11/2019

Dias e Horários

Quarta a Sexta, 10h às 18h30.

As inscrições podem ser feitas a partir de 29 de outubro, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira