Atividades

O que os filmes de terror dizem sobre nossa sociedade?

Em Debate: Universo Fantástico
Cinema de Terror e Crítica Social

Voltar para o início Cinema de Terror e Crítica Social

Programa

Os filmes de terror causam arrepio, medo e são repulsivos para muita gente. No entanto, a repulsa causada por esses filmes pode refletir o incômodo de se viver em uma sociedade com características repulsivas, como a violência e o classismo, assim como o medo causado pelos filmes pode refletir um medo muito mais profundo e difuso, relacionado às transformações sociais, ao avanço dos movimentos sociais, às novas formas de se expressar sexualmente, à paranoia comunista, à disseminação de doenças, à ameaça bélica e à degradação ambiental.

O presente ciclo analisará a crítica social que está por trás de filmes aparentemente alienados e alienantes.   

13/1 - Os filmes de zumbis
A palestra traçará um panorama histórico dos filmes de zumbis, desde a década de 1930 até os dias atuais. Algumas das obras que serão discutidas são: os filmes  Zumbi branco (Victor Halperin, 1932) e A Morta-viva, (Jacques Tourneur 1943), que retratam o zumbi haitiano; os três primeiros filmes de zumbi de George Romero, A Noite dos mortos-vivos (1968), Madrugada dos mortos (1978) e Dia dos mortos (1985); e os filmes de zumbis contemporâneos Extermínio (Danny Boyle, 2002) e Corra! (Jordan Peele, 2017).
Com Paula Gomes.

20/1-Zé do Caixão e a ditadura militar
José Mojica Marins, nos anos 60, era saudado como "primitivo" por parte da crítica, desprezado como "primário" por outra, e perseguido como subversivo pela ditadura militar. Com farto sucesso popular, o fato é que o controverso pai do terror nacional jogou muita fogueira à lenha da "moral" e dos "bons costumes", pagando caro por isso em termos de censura. Assim, esta palestra pretende apontar e analisar alguns índices de "escândalo" materializados nos filmes com o mítico Zé do Caixão, dentro do contexto da repressão ditatorial após o golpe de 64.
Com André Renato O. Silva.

27/1 - Monstruosidades e sexualidades disruptivas no cinema de terror
Monstruosidades engendram questões complexas sobre sexualidade, raça, classe, corpos, tecnologia, contaminação e contágio; são sintomas do imaginário e respondem aos medos, ansiedades, angústias e desejos das épocas nas quais emergem. Essencialmente imagens, as monstruosidades no audiovisual danificam as fronteiras entre o Eu e o Outro. Essa fala tem como proposta esbarrar em algumas dessas imagens monstruosas, ouvir o que dizem e compreender os dispositivos que as gestam. Como fios condutores, os vampiros, as questões de representação e a potência da estético-política das sexualidades disruptivas no cinema de terror.
Com Diego Paleólogo Assunção.

3/2 - O novo cinema de terror brasileiro
A palestra discutirá uma série de longas-metragens brasileiros feitos entre 2009 e 2019 (tais como Os Inquilinos, Mate-me por Favor, O rastro, As Boas Maneiras, Morto não Fala, entre outros), que lançam luz sobre os temas sociais brasileiros através do uso de certos dispositivos estéticos e narrativos emprestados do cinema de terror. A discussão aqui proposta é animada pela possibilidade de certas convenções do gênero terror levarem a diferentes experiências da realidade social.
Com Laura Loguercio Cánepa.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Frame do filme Drácula, de 1931)

Palestrantes

Paula Gomes

Paula Gomes

Doutora em Cinema pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e divulgadora científica.
(Foto: Guilherme Stolzel)

André Renato O. Silva

André Renato O. Silva

Mestre em Letras pela Unifesp, com pesquisa sobre o cineasta José Mojica Marins. Escreve sobre cinema no blog "Sombras Elétricas" e participa da coletânea "Cinema e Mal-Estar na Civilização" (Max Limonad, 2015).
(Foto: Acervo Pessoal)

Diego Paleólogo Assunção

Diego Paleólogo Assunção

Pesquisador, professor, escritor e artista visual. Doutor em Comunicação e Cultura pela Escola de Comunicação da UFRJ. Atualmente é pós-doutorando no PPGCOM-UERJ.
(Foto: Acervo Pessoal)

Laura Loguercio Cánepa

Laura Loguercio Cánepa

Jornalista e pesquisadora de cinema. Doutora em Multimeios pelo IAR-Unicamp, atua como docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

13/01/2020 a 03/02/2020

Dias e Horários

Segundas, 19h30 às 21h30.

As inscrições podem ser feitas a partir de 20 de dezembro, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira