Atividades

O Brasil e a América Latina na Cinematografia da Independência

Curso On-Line
Cinema e Independência na América Latina: do Centenário ao Bicentenário

Voltar para o início Cinema e Independência na América Latina: do Centenário ao Bicentenário

Programa

O cinema histórico é um dos primeiros gêneros ficcionais a surgir na América Latina, tendo as Guerras da Independência como seu tema chave. Dentro deste cinema, destacam-se as narrativas de fundação: histórias sobre as origens históricas e míticas da comunidade nacional.  

Neste curso estudaremos os três momentos de maior destaque desta temática no Brasil e na América Latina: o Centenário, os anos 1970 e o Bicentenário. Analisaremos o tipo de representação que foi feita da Independência em cada contexto, e suas conexões com os debates culturais da época. Interessa-nos entender quais imaginários sobre a identidade nacional e as relações com a América Latina e as antigas metrópoles foram propostos em cada caso.

Programa
10/11 - O Centenário no cinema: a tensão entre tradição e modernidade.
- Os Centenários da Independência na América Latina e o desenvolvimento do cinema.
- O discurso das elites: exaltação da tradição nacional, mimetismo cultural, modernização econômica e industrial.
- O relato da origem da nação frente ao desafio da imigração.
- Imigrantes europeus: os primeiros narradores da independência nas telas.
- Eros e Polis: o relato cinematográfico da origem da nação em chave melodramática.

Exemplos cinematográficos: La revolución de mayo (Mario Gallo, Argentina, 1909), El húsar de la muerte (Pedro Sienna, Chile, 1925), São Paulo: a Sinfonia da Metrópole (Rodolfo Lustig e Adalberto Kemeny, 1929).

17/11 - Monumentos em disputa: o sesquicentenário no Brasil e na Argentina e o cinema cubano revolucionário.
- Argentina: A Revolução Argentina - exaltação da esfera militar e católica.
- Brasil: discurso ufanista sobre o milagre brasileiro - "Sesquicentenário evento extraordinário".
- Cuba: representação de uma continuidade entre a Independência e a Revolução de 1959.
- O filme histórico como "superprodução" nacional com grande sucesso comercial.
- Relação de proximidade oficial com as autoridades governamentais: colaboração com projetos cinematográficos, supervisão ou mesmo controle.

Exemplos cinematográficos: Lucía (Humberto Solas, Cuba, 1968), El santo de la espada (Leopoldo Torre-Nilsson, Argentina, 1970), Independência ou morte (Carlos Coimbra, Brasil, 1970).

1/12 - Os Bicentenários: entre as políticas de pedagogia cidadã e a diplomacia cultural.
- A promoção de lideranças horizontais.
- A valorização dos personagens negros e indígenas.
- O caso brasileiro no contexto latino-americano.
- As relações entre os filmes e as agendas sociais e governamentais dos anos 2000 e 2010 (os casos do Chile, México e Argentina).
- O projeto "Libertadores": a diplomacia cultural espanhola e as coproduções com América Latina.

Exemplos cinematográficos: Revolución: el cruce de los Andes (Leandro Ipiña, Argentina-Espanha, 2011), Hidalgo: la historia jamás contada (Antonio Serrano, México-Espanha, 2010), Joaquim (Marcelo Gomes, Brasil, Espanha, Portugal, 2017)

8/12 - Narrar a origem nacional a contrapelo.
- A independência como relato alegórico.
- A desconstrução dos heróis da pátria.
- A narrativa do fracasso e da exclusão e a origem da comunidade nacional.
- A sátira como recurso anti-monumental.

Exemplos cinematográficos: Os inconfidentes (Joaquim Pedro de Andrade, Brasil, 1972), Carlota Joaquina: Princesa do Brazil, (Carla Camurati, Brasil, 1995), Zama (Lucrecia Martel, Argentina, Brasil, Espanha, França, 2017)  

Obs: O participante precisa ter celular e computador e conhecer os princípios básicos para uso desses equipamentos. Após a conclusão da sua inscrição on-line na atividade e/ ou curso, você receberá por e-mail um link de acesso à Plataforma onde será realizada a atividade e/ou curso, com até 1 (um) dia de antecedência da data de início. O acesso também poderá ser realizado através do web navegador de sua preferência.

Os encontros em ambiente on-line não são gravados, não sendo disponibilizados seus registros para posterior visualização.

As inscrições podem ser feitas a partir das 14h do dia 27/910Paulo. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

O pagamento dever ser feito através do cartão de crédito, e trabalhamos com as bandeiras Visa, Mastercard, Elo e Hipercard.

*Este curso será 100% on-line. Ao término do curso, você poderá solicitar sua declaração de participação pelo e-mail declaracao.cpf@sescsp.org.br
A declaração será encaminhada em até 30 dias

**Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, faça a solicitação pelo e-mail centrodepesquisa.cpf@sescsp.org.br, justamente após a conclusão e efetivação do pagamento de sua inscrição, e com pelo menos 48 horas de antecedência do início da atividade.

O cancelamento poderá ser realizado com até 48 horas antes do início da atividade. Encaminhar e-mail para centrodepesquisa.cpf@sescsp.org.br e solicitar o cancelamento

Palestrantes

Ignacio del Valle Dávila

Ignacio del Valle Dávila

Professor permanente da pós-graduação em Multimeios da Unicamp. É doutor em Cinema e mestre em Artes do Espetáculo e Mídia pela Universidade de Toulouse 2 e desenvolveu um pós-doutorado em História na USP e um pós-doutorado em Multimeios na Unicamp, ambos sobre a representação da Independência no cinema brasileiro e latino-americano.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

10/11/2022 a 08/12/2022

Dias e Horários

Quintas, das 19h30 às 21h30. Exceto dia 24/11.

Curso On-line

Inscrições a partir das 14h do dia 27/10, até o dia 8/11.
Enquanto houver vagas.

Local

Plataforma Zoom.

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira

Inscreva-se agora