Atividades

A LGBTfobia no futebol no Brasil

Contextos
Colorindo o Futebol

Voltar para o início Colorindo o Futebol

Programa

O curso irá abordar e discutir três momentos históricos em que o campo futebolístico foi apropriado por grupos ligados à causa LGBT: o surgimento das torcidas gays na segunda metade da década de 1970 em meio ao processo de manifestações culturais e políticas que culminaram com a emergência do movimento homossexual brasileiro em 1978; os movimentos de torcedores anti-homofobia que constroem visibilidade na internet a partir de 2013, apresentando-se como torcidas livres e queer, questionando o machismo e a LGBTfobia no futebol; e mais recentemente o aparecimento dos "times LGBT" em diversas partes do país, que representam espaços seguros e acolhedores para a prática do futebol por pessoas LGBT e têm construído a sua visibilidade por meio da organização de jogos e campeonatos.

O curso é dividido em três encontros e além de aulas expositivas, serão usados materiais de apoio, como imagens e vídeos, que estimulem o debate entre as pessoas participantes.

O curso contempla também momentos de bate-papo com convidadxs ligadxs às torcidas livres e aos times LGBT, que irão trazer suas visões acerca do significado dos grupos/coletivos que fazem parte, assim como das ações empreendidas para o enfrentamento da LGBTfobia no futebol.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Sharon Mccutcheon)

Palestrantes

Alexandre Antoniazzi

Alexandre Antoniazzi

Homem cisgênero, gay, há três anos joga pelo Natus F.C., time de futebol LGBT da cidade de São Paulo, fundado em 2015. Jogar no Natus significa para ele poder jogar futebol, esporte que ama, e poder levantar a bandeira da inclusão dos LGBTs nos esportes.
(Foto: Acervo Pessoal)

Henrique Martins

Henrique Martins

Orientador Socioeducativo, militante e fundador do primeiro time de homens transexuais do Brasil, o Meninos Bons de Bola.
(Foto: Acervo Pessoal)

Luiza Aguiar dos Anjos

Luiza Aguiar dos Anjos

Formada em Educação Física pela Universidade Federal de Minas Gerais, onde também cursou Especialização e Mestrado em Estudos do Lazer. É Doutora em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Suas pesquisas abordam questões de gênero e sexualidades tomando o esporte e, mais especificamente, o futebol e as torcidas como espaço privilegiado de observação. Desde 2017, é também colaboradora da página GaloQueer.
(Foto: Acervo Pessoal)

Maurício Rodrigues Pinto

Maurício Rodrigues Pinto

Mestre pelo Programa de Mudança Social e Participação Política (USP), pesquisa as relações entre futebol e sexualidades. Atualmente é doutorando do programa de Antropologia Social da USP (PPGAS-USP), estudando a apropriação do futebol por grupos de pessoas LGBT e a formação de times LGBT.
(Foto: Acervo Pessoal)

Sellena Ramos

Sellena Ramos

Mulher transfeminista negra interseccional é ativista do movimento LGBTQI+. Graduanda em Direito pela Faculdade Baiana de Direito, compõe o Grupo de Estudos em Criminologia Feminista. Atua também no Coletivo Mães do Arco-íris e na Rede Proteja LGBTQI+. Integra o Núcleo de Ações Afirmativas do E.C. Bahia, tendo realizado formação sobre Gênero e Sexualidade com funcionárixs do clube. É atualmente é consultora do Projeto Trans-Formação da ONU.
(Foto: Acervo Pessoal)

Thaís Nozue

Thaís Nozue

Educadora social, oficineira, facilitadora e fotógrafa autônoma há 7 anos. Atua com eventos sociais na fotografia e na educação trabalha com o objetivo da reabilitação psicossocial e emancipação de crianças, jovens e adultos através de oficinas criativas, gênero e diversidade. É cofundadora do Coletivo Palmeiras Livre, grupo que combate as opressões dentro e fora do futebol.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

20/05/2019 a 24/05/2019

Dias e Horários

Segunda, Quarta e Sexta, 14h30 às 17h30.

As inscrições podem ser feitas a partir de 25 de Abril, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira

Inscreva-se agora