Atividades

A partir de imagens que associam as redes de dormir ao Brasil, o curso propõe uma revisão acerca da história da arte no país

Contextos
Construções do Brasil no vaivém das redes de dormir

Voltar para o início Construções do Brasil no vaivém das redes de dormir

Programa

Conhecemos bem a sensação de deitar em uma rede de dormir: enquanto nos ajeitamos em sua estrutura mole, ela nos acolhe. E, na medida em que o corpo se instala, a rede se movimenta nos embalando com seu vaivém característico. Como e quando essa sensação de acolhimento se tornou sinônimo de pertencimento identitário?

Assim como a rede acolhe o corpo, o objeto e suas representações iconográficas acolheram discursos com intenções não raramente contraditórias. Ao revisitar o passado conseguimos compreender como um fazer ancestral criado pelos povos ameríndios foi apropriado pelos europeus e, mais de cinco séculos após a invasão das Américas, ocupa um lugar de destaque no panteão que constitui a noção de uma identidade brasileira.

Os encontros serão pautados em três grandes núcleos: (1) as imagens produzidas durante a colonização do Brasil; (2) a reconfiguração das redes de dormir no imaginário nacional moderno; (3) obras produzidas nos últimos trinta anos por artistas brasileiros com e suas finalidades discursivas.

O curso contribui por articular essas questões a partir de um elemento preciso e levar os participantes a questionar o senso comum que envolve não só as redes de dormir, mas outros ícones associados à brasilidade. Nosso enfoque é em uma análise discursiva da construção dessa noção para que possamos construir de maneira crítica novas narrativas identitárias no futuro.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Arte: Gustavo Caboco - Rede passagem - 2019)

Palestrantes

Raphael Fonseca

Raphael Fonseca

Pesquisador nas áreas da curadoria, história da arte, crítica e educação. Curador do MAC Niterói e professor do Colégio Pedro II. Doutor em Crítica e História da Arte pela UERJ. Recebeu o Prêmio Marcantonio Vilaça de curadoria (2015) e o prêmio de curadoria do CCSP (2017). Entre seus projetos recentes, destaque para "Vaivém" (CCBB São Paulo, 2019); dentre outros. Integrante do comitê de seleção de artistas da 21a Bienal VideoBrasil (2019).
(Foto: Acervo Pessoal)

Bibliografia

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo (1983). São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
BARTHES, Roland. Mitologias. São Paulo: Difel, 1987.
BURKE, Peter. Hibridismo cultural. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2003.
CASCUDO, Câmara. Rêde-de-dormir - uma pesquisa etnográfica. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1959.
FOUCALT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1996.
HOBSBAWN, Eric. A invenção das tradições (1983). São Paulo: Paz e Terra, 2012.
JUNIOR, Durval Muniz de Albuquerque. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez Editora, 2009.
LIMA, Valéria. J. B. Debret - historiador e pintor. Campinas: Editora Unicamp, 2007.
O'DONNELL, Julia. A invenção de Copacabana. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
STADEN, Hans. Duas viagens ao Brasil: primeiros registros sobre o Brasil (1557). Porto Alegre: L&PM, 2008.
WARBURG, Aby. El atlas de imágenes Mnemosine: reproducción fac-similar. México: UNAM, Instituto de Investigaciones Estéticas, 2012.
ZANLORENZI, Elisete. O mito da preguiça baiana. Tese de doutorado apresentada na USP, na Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, no departamento de Antropologia, em 1998.

Data

26/10/2019 a 26/10/2019

Dias e Horários

Sábado, 10h às 17h30.

As inscrições podem ser feitas a partir de 26 de setembro, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 4,50 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 7,50 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 15,00 - inteira

Inscreva-se agora