Atividades

Políticas da Dança

Cursos On-Line
Dança e Política: relações entre a luta antifascista e a origem da dança moderna

Voltar para o início Dança e Política: relações entre a luta antifascista e a origem da dança moderna

Programa

O curso propõe uma reflexão em torno das relações entre arte e política a partir de uma perspectiva histórica, considerando o potencial da dança como ferramenta de luta política. Para tanto, pretendemos apresentar e discutir como os artistas da dança moderna responderam ao fascismo na Alemanha e nos Estados Unidos durante os anos 1930, com especial atenção ao movimento antifascista da cidade de Nova Iorque.

22/2 - A dança e classe trabalhadora de Nova Iorque
Nesse encontro buscaremos demonstrar como, durante os anos 1930, a dança foi usada como arma política pela esquerda na cidade de Nova Iorque. Sindicatos e organizações populares ofereciam aulas e organizavam grupos de dança. A dança era produzida para e, muitas vezes, por trabalhadores, que lutavam por melhores condições de vida e trabalho por conta da Grande Depressão Econômica.

24/2 - A dança alemã e o governo de Adolf Hitler
O ministério da propaganda alemão, comandado por Joseph Goebbels, demonstrou grande interesse pela dança desde o primeiro ano do governo de Adolf Hitler. Como veremos, esse uso político da dança pelo governo nazista teve seu momento de maior tensão durante os preparativos para a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Berlim de 1936.

1/3 - Repercussões da Guerra Civil Espanhola na dança de Nova Iorque
Um dos principais acontecimentos históricos da década foi a eclosão da Guerra Civil na Espanha, em 1936. Nesse período, surgiu um movimento político e cultural chamado Frente Popular, que tinha como objetivo enfrentar o fascismo, a censura e as mais diversas formas de opressão. Diante da ascensão do fascismo na Europa, artistas de diferentes áreas se uniram para apoiar os revolucionários espanhóis.

3/3 - A democracia norte-americana como utopia da esquerda
No nosso último encontro discutiremos como, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, uma das mais importantes artistas da dança de Nova Iorque buscou se aliar à classe trabalhadora e levar para a cena uma visão crítica da história dos Estados Unidos. Contra o fascismo e a injustiça, Martha Graham propunha a busca coletiva e urgente pela tão desejada democracia.

Obs: O participante precisa ter celular e computador e conhecer os princípios básicos para uso desses equipamentos. Após a conclusão da sua inscrição on-line na atividade e/ ou curso, você receberá por e-mail um link de acesso à Plataforma Zoom, onde será realizada a atividade e/ou curso, com até 1 (um) dia de antecedência da data de início. O acesso também poderá ser realizado através do web navegador de sua preferência.

As inscrições podem ser feitas a partir das 14h do dia 28/01, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

O pagamento dever ser feito através do cartão de crédito, e trabalhamos com as bandeiras Visa, Mastercard, Elo e Hipercard.

*Este curso será 100% Online. Após o encerramento, será possível solicitar sua declaração de participação, enviando um email para declaracao.cpf@sescsp.org.br

(Arte: Walter Cruz)

Palestrantes

Jane Silveira de Oliveira

Jane Silveira de Oliveira

Doutora pela FFLCH-USP. Sua pesquisa acadêmica tem como foco as relações entre dança, política e história. É autora do capítulo Momentos de Suspensão no livro 'Imagem e História' organizado por Marcos Fabris e Patrícia Kruger (2018).
(Foto: Acervo Pessoal)

Bibliografia

CONNER, Lynne. "What the Modern Dance Should Be": Socialist Agendas in the Modern Dance, 1931 - 38. In: Crucibles of Crisis. Performing Social Change. Reinelt, J. (ed.) Ann Arbor: University of Michigan Press, 1996.
FRANKO, Mark. Dancing Modernism/Performing Politics. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 1995.
FRANKO, Mark.  Martha Graham in love and war. New York: Oxford University, 2012.
FRANKO, Mark.  The work of dance: labor, movement and identity in the 1930s. Connecticut: Wesleyan University Press, 2002.
DENNING, Michael. The cultural front: the laboring of American culture in the twentieth century. 3. ed. New York: Verso, 2010.
GEDULD, Victoria P. Performing Communism in the American Dance: Culture, Politics and the New Dance Group. In: American Communist History, v. 7, n. 1, 2008, p. 39-65.
GRAFF, Ellen. Dancing red: art and politics. Studies in Dance History. The Journal of the Society of Dance History Scholars. 5 (1): 1-13, 1994.
GRAFF, Ellen. Stepping Left. Dance and Politics in New York City, 1928-1942. Durham and London: Duke University Press, 1997.
MANNING, Susan. Ecstasy and the demon: the dances of Mary Wigman. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2006.
PRICKETT, Stacey. From Workers' Dance to New Dance. Dance Research, vol. VII, n. 1 (Spring 1989), p. 47-64.
PRICKETT, Stacey. Dance and the Workers' Struggle. Dance Research, vol. VIII, n. 1 (Spring 1990), p. 47-61.

Data

22/02/2021 a 03/03/2021

Dias e Horários

Segundas e Quartas, 16h às 18h.

Curso 100% online

Inscrições a partir das 14h do dia 28/1

Vagas Limitadas.

Local

Em Casa

Valores

R$ 21,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 35,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 70,00 - inteira