Atividades

Como os monumentos se tornam obsoletos? As novas paisagens mnemônicas na era decolonial

Cursos On-Line
Derrubar monumentos? Os dilemas entre relembrar e apagar o passado

Voltar para o início Derrubar monumentos? Os dilemas entre relembrar e apagar o passado

Programa

Estátuas de Colombo foram derrubadas nos EUA e na Europa, em Bristol, no Reino Unido, a estátua do traficante Edward Colston foi derrubada e lançada em um rio (para ser depois recuperada pela prefeitura). No Brasil discute-se intensamente as homenagens feitas a bandeirantes caçadores e escravizadores de indígenas e a presidentes do período da ditadura civil-militar de 1964-1985. Esses debates na verdade existem há décadas, mas foram dinamizados no contexto dos movimentos antirracistas desencadeados pela morte barbara de George Floyd. Suas palavras, "I can't breathe" ecoam e fazem com que repensemos a história.

Particularmente o elemento de repetição colonizadora da história é posto em questão. Afinal, ao se homenagear "heróis" que representam a violência colonial, no mesmo movimento se apaga a memória dos espezinhados pela história. No caso brasileiro, país marcado pela ideologia da "democracia racial", esse fato é particularmente grave, pois nega-se o tempo todo a violência colonial.

A Empresa Colonial se desdobra até hoje neste país, seja economicamente, pois somos ainda, como no século XVI, um exportador de commodities, seja no pensamento, pois reproduzimos uma história eurocêntrica e branca, seja na nossa relação com a natureza, que é vista como fonte inesgotável de lucros, e sobretudo na questão social e racial: até hoje, 132 anos após a abolição oficial da escravidão, reproduzimos as violências racial e social derivadas daquele sistema.

No curso, propomos pensar essa história do ponto de vista da construção da memória na era Moderna (com seu caráter colonial) e sobretudo da resistência decolonial a esse modelo. Veremos a história dos monumentos, do triunfo das estátuas equestres no século XIX, aos antimonumentos no final do século XX e na nossa época. Discutiremos como, na contracorrente da inscrição simbólica da violência colonial (de classe, gênero e racial), ocorre uma resistência a essa violência tanto em termos de lutas como de sua memorialização. O dispositivo colonial possui em seu centro, como seu braço simbólico, o dispositivo estético aliado à história positivista (calcada em documentos e focada nos agentes dos grupos dominantes). Histórias negras, indígenas e de grupos subalternizados, decantadas em bases materiais as mais diversas, desconstroem essa estética e historiografia coloniais no sentido oposto das práticas de silenciamento e de apagamento.

O momento atual deve ser pensado como uma janela que permite repensar a história do ponto de vista decolonial. Isso implica uma urgente revisão das práticas de monumentalização, de memorialização, de escrita e de ensino da história. Tanto a geografia mnemônica de nossas cidades, como as paisagens simbólicas de nossa linguagem cotidiana devem ser repaginadas.

OBS: O participante precisa ter celular e computador e conhecer os princípios básicos para uso desses equipamentos. Após a conclusão da sua inscrição on-line na atividade e/ ou curso, você receberá por e-mail um link de acesso à Plataforma Microsoft Teams, onde será realizada a atividade e/ou curso, com até 1 (um) dia de antecedência da data de início. O acesso também poderá ser realizado através do web navegador de sua preferência.

As inscrições podem ser feitas a partir das 14h do dia 29/6, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

*Este curso será 100% Online. Após o encerramento, será possível solicitar sua declaração de participação, enviando um email para declaracao@cpf.sesc.org.br

(Arte: Walter Cruz)

Palestrantes

Márcio Seligmann-Silva

Márcio Seligmann-Silva

Doutor pela Universidade Livre de Berlim, pós-doutor por Yale e professor titular de Teoria Literária na UNICAMP. Foi professor visitante em Universidades na Argentina, Alemanha, Inglaterra e México. Autor, entre outros, de O Local da Diferença (vencedor do Prêmio Jabuti em 2006).
(Foto: Acervo Pessoal)

Bibliografia

ADORNO, Theodor, “What does coming to Terms with the past mean?” (1959), in: Bitburg in moral and Critical Perspective, org. por G. Hartman, Bloomington/Indianapolis: University of Indiana Press, 1986. 114-129.

ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação, trad. Paulo Soethe, Campinas: Editora da Unicamp, 2011. (Coleção Espaços da Memória)

ASSMANN, Jan, Religion y memoria cultural. Diez estudios, ed. E trad. Marcelo Burello e Karen Saban, Buenios Aires: Lilmod, 2008.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura, tradução de Sérgio Paulo Rouanet, revisão técnica de Márcio Seligmann-Silva, São Paulo: Brasiliense, 8a. ed. revista, 2012.

DERRIDA, J. Mal de arquivo.  Uma impressão freudiana, Relume Dumará, 1995.

ERLL, Astrid; NÜNNING, Angsgar (Eds.), A Companion to Cultural Memory Studies, Berlin/N. York: Walter de Gruyter, 2010.

FANON, Frantz. Pele negra máscaras brancas, trad. Renato da Silveira, Salvador: UFBA, 2008.

FutureAnterior, Journal of Historic Preservation, History, Theory, and Criticism, University of Minnesota Press.

HALBWACHS, Maurice, A memória coletiva, trad. port. São Paulo : Vértice, 1990)

HALL, Stuart. Da diaspora. Identidades e mediações Culturais, Belo Horizonte: Humanistas, 2003.

Histórias afro-atlânticas: [vol. 2] antologia, org. Adriano Pedrosa, Amanda Carneiro, André Mesquita, São Paulo: MASP, 2018.

JELIN, E., & LANGLAND, V. (orgs.). Monumentos, memoriales y marcas territoriales, Madrid: Siglo XXI, 2003.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

KOPENAWA, Davi e ALBERT, Bruce, A queda do céu. Palavras de um xamã yanomami, São Paulo: Companhia da Letras, 2015.

KRENAK, Ailton, Ideias para adiar o fim do mundo, São Paulo: Companhia das letras, 2019.

MARGALIT, Avishai. The ethics of Memory, Londres, Cambridge: Harvard University Press. 2002.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão negra, tradução Marta Lança, Lisboa: Antígona Editores Refractários, 2a edição, 2017.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio negro. Processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2016.

NIETZSCHE, Considerações intempestivas, trad. Lemos de Azevedo, Lisboa: Presença, s/d, pp.101-150.

NORA, Pierre (org.), Les Lieux de Mémoire, Paris: Gallimard, 1984.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Tradução: Alain François. Campinas, SP: Editora da. UNICAMP, 2007. (Coleção Espaços da Memória)

RIEGEL, Alois, El culto moderno de los monumentos, trad. Ana López, Madrid : A. Machado Libros, 2008.

Rosana Paulino: a costura da memória, curadoria Valéria Piccoli, Pedro Neri, textos Juliana Ribeiro da Silva Bevilaqua, Fabiana Lopes, Adriano Dolci Palma, São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2018.

SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.) História, Memória, Literatura. O testemunho na era das catástrofes, Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.

SELIGMANN-SILVA, M. “Antimonumentos: trabalho de memória e de resistência”, in Psicol. USP vol.27 no.1 São Paulo jan./abr. 2016, p. 49-60.

SELIGMANN-SILVA, M. “Decolonial, des-outrização: imaginando uma política pós-nacional e instituidora de novas subjetividades”, in: 21a Bienal de Arte Contempora?nea Sesc_Videobrasil: Comunidades Imaginadas: Leituras / organizac?a?o: Luisa Duarte; coordenac?a?o editorial: Tete? Martinho. Sa?o Paulo: Sesc: Associac?a?o Cultural Videobrasil, 2019. Pp. 20-44. 

SELIGMANN-SILVA, M. “Do museu-arquivo às inscrições de si”, in: Acervo: Revista do Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, v. 32, n.3, set/dez. 2019a, pp. 21-36.

VIDAL-NAQUET, Pierre, Os assassinos da memória, Campinas: Papiros, 1988.

WEINRICH, Harald, Lete, trad. L. Luft, Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2001.

WINTER, Jay, Sites of Memory, Sites of Mourning: The Great War in European Cultural History, Cambridge: CUP, 1997. 

YATES, Francis A., A arte da Memória, Campinas: Editora da UNICAMP, 2007. (Coleção Espaços da Memória)

YOUNG, James, The Texture of Memory: Holocaust Memorials and Meaning, New Haven/London: Yale UP, 1993.

Data

08/07/2020 a 05/08/2020

Dias e Horários

Quartas, 18h às 20h.

Curso 100% Online.

Vagas Limitadas.

Local

Em Casa

Valores

Grátis