Atividades

A representação do agente secreto no cinema

Perspectivas
Espionagem e Cinema

Voltar para o início Espionagem e Cinema

Programa

O universo dos agentes secretos mexe com o imaginário de milhões de pessoas, que se deleitam com suas aventuras regadas a ação, mistério e muito glamour nas telas de cinema.

O objetivo deste ciclo é discutir os serviços de inteligência modernos e a forma como foram tematizados nos filmes, dependendo do contexto político da época.

5/6-Espionagem e cinema: dinheiro, licença criativa e desconfiança
Os serviços de inteligência modernos evoluíram de modo descontínuo em diferentes países, principalmente desde o começo do século XX, como órgãos especializados apoiando a diplomacia, a defesa e o policiamento.
Eles exercem duas funções principais: fornecer informações sobre temas de segurança nacional para os tomadores de decisões e implementar secretamente elementos das políticas de segurança decididas pelos governantes dentro e fora do território de cada país. Na literatura e no cinema, a ficção sobre espionagem (spy fiction) incialmente era um subgênero de mistério e ação.
Com o tempo, a espionagem como contexto ou trama diversificou-se em dois sentidos. Primeiro, extrapolou para outros gêneros, desde a comédia e o documentário até a ficção científica e os filmes de guerra.
E, com a complexificação dos aparatos de inteligência, inclusive no setor privado, diversos tópicos passaram a ser tematizados, desde a contraespionagem até os desafios de controle democrático e uso de tecnologias específicas. A representação da espionagem e dos serviços de inteligência no cinema é condicionada pela busca de lucro, pela licença criativa, bem como pela desconfiança e variado senso crítico.
Com Marco Cepik.

6/6-De Sean Connery a Daniel Craig - James Bond: uma trajetória em desalinho
Com James Bond, de Sean Connery, Hollywood abandona o imaginário mecânico em favor de um novo paradigma, o da eletrônica.
Esse percurso é também o da paulatina mutação da figuração do masculino como gênero da personagem do agente especial. Por isso, entre o 007 de Sean Connery e o de Daniel Craig, além da decadência do paradigma eletrônico (ou de sua metamorfose em um imaginário digital), acontece uma significativa alteração na identidade de James Bond: de personagem agregador, ele se transforma em personagem desagregador.
Com Gelson Santana.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Casino Royale - Columbia Pictures)

Palestrantes

Marco Cepik

Marco Cepik

Professor titular na UFRGS, autor de "Espionagem e Democracia" (FGV, 2003) e de mais de uma centena de artigos científicos e capítulos de livros sobre temas de segurança internacional, inteligência e governança na Era Digital.
(Foto: Acervo Pessoal)

Gelson Santana

Gelson Santana

Doutor em comunicação pela ECA/USP e professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Audiovisual da Universidade Anhembi Morumbi de São Paulo.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

05/06/2019 a 06/06/2019

Dias e Horários

Quarta e Quinta, 19h30 às 21h30.

As inscrições podem ser feitas a partir de 28 de Maio, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira