Atividades

O ócio relacionado à linguagem e expressão táctil

Contextos
Experiência Sensorial e a Deficiência Visual

Voltar para o início Experiência Sensorial e a Deficiência Visual

Programa

Na hipermodernidade que delimita o humano aos cyberspaces e onde as diferenças são sentidas como indiferentes, se faz necessário vivenciar experiências de inclusão, interação e acessibilidade pelo viés da diversidade, alteridade, pluralidade e equidade éticas e cidadãs. 


Visando dar conta da complexidade referida aos ‘con-tactos' como âmbito da sensibilidade sensória que formam, informam e transformam as percepções de Presença-Ser dos indivíduos e Pertença-Estar dos coletivos, este curso propõe as bases teórico-práticas sobre o ócio como linguagem de expressão dos mundos internos e externos vivenciados por deficientes visuais e pessoas em geral. Concebido a partir de pesquisas de Pós-Doutorado em Estudos Culturais pela Universidade de Aveiro-Portugal, está alicerçado em três pilares: primeiro, na valorização do ócio inclusivo que incentiva às aprendizagens colaborativas e autonomias pessoal e comunitária; segundo, na garantia de direitos e exercício da cidadania e pela superação do conceito de (a)normalidade; e terceiro, na quebra de paradigma do ‘não toque' das obras artísticas. 


Faz parte do curso a experiência tátil de telas, esculturas e tapetes sensoriais da artista Eni D'Carvalho, que poderão ser tocadas por deficientes visuais  e pessoas em geral usando venda escura para os olhos, proporcionando a vivência e integração de sentidos da arte inclusiva, interativa e acessível a todos.

Em tempos e espaços submetidos à cybersnect é vital reconhecer a pertinência do Ócio inclusivo pela vivência sensorial da Arte Táctil (pinturas e esculturas texturizadas/3D) que oportunizam ‘tocar com as mãos, sentir com a alma e ver com o coração' pois o ‘essencial é invisível aos olhos'.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Divulgação)

Palestrantes

Eni D'Carvalho

Eni D'Carvalho

Artista-educadora mencionada por José Saramago como "Eni é da tribo da sensibilidade!". Com 180 exposições na Europa, EUA (ONU) e Brasil. Valoriza o aspecto humanístico mediante a inserção dos cegos nas artes plásticas, quebrando paradigmas, exercitando a inclusão e luta pela Cultura da Paz.
(Foto: Acervo Pessoal)

Rosely Cubo

Rosely Cubo

Arofessora-doutora em Ócio e Desenvolvimento Humano pela Universidad de Deusto-Bilbao (Espanha) e mestre em Psicologia. Pesquisadora na Universidade de Aveiro (Portugal) junto ao Grupo de Estudos Género e Performance (GECE), do Centro de Línguas Literaturas e Culturas (CLLC).
(Foto: Karla Malagueta)

Bibliografia

BAND, S., LAURENTI, R. (2002). Sesc para todos: há mais de 20 anos um exemplo de inclusão social. Sentidos, São Paulo, ano 1, n. 5, p. 34-36, maio. 

BASSO, T. e PUSTILNIK, A. (2017). Corporificando a consciência. Teoria e prática da dinâmica energética do psiquismo. São Paulo: Instituto de Cultura para o Desenvolvimento e Educação Permanente.

CSIKSZENTMIHALYI, M. (2005). Fluir (Flow). Una psicología de la felicidad. Trad.

Penuria López. Barcelona: Editorial Kairós.

CUENCA CABEZA, M. (2006). Ocio humanista: dimensiones y manifestaciones actuales del ocio. Documentos de Estudios de Ocio. Bilbao: Ed. Universidad de Deusto.

FRANKL, V. (1979). El hombre en busca de sentido. Barcelona: Herder Editorial.

LIPOVETSKY, G. (2006). Los tiempos hipermodernos. Barcelona: Editorial Anagrama.

MERLEAU-PONTY, M. (1975) O olho e o espírito (Coleção Pensadores, Textos Escolhido XLI) (P. Moraes Filho, Trad.) São Paulo: Abril Cultural. (Originalmente publicado em francês em 1960). 

ORMELEZI, E. (2000). Os caminhos da aquisição do conhecimento e a cegueira: do universo do corpo ao universo simbólico. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo. 

SÁ, E. (2002) A bengala e a mulher invisível. Em Masini, E.F.S. Do sentido... pelos sentidos... para o sentido: sentidos das pessoas com deficiências sensoriais. (pp.27-32) Niterói/ São Paulo: Intertexto/Vetor.  

SALOMON, S. M. (2000) Deficiente visual - um novo sentido de vida: proposta psicopedagógica para ampliação da visão reduzida. SP:Ltr.

Data

21/01/2020 a 30/01/2020

Dias e Horários

Terças e quintas, 19h às 21h30.
As inscrições podem ser feitas a partir de 20 de dezembro, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira

Inscreva-se agora