Atividades

Investigações sobre arte e pensamento latino-americano

Contextos
Isto é arte porque disse um europeu | arte e decolonialidade

Voltar para o início Isto é arte porque disse um europeu | arte e decolonialidade

Programa

O curso visa rastrear manifestações visuais latino-americanas sob a perspectiva de um Sul Global, por sujeitos e territórios não hegemônicos e não pertencentes às tradições canônicas do campo da arte ocidental.

A existência destas produções visuais tem reconstruído a historiografia da arte, ou se trata de uma integração subordinada no circuito hegemônico? Como se estruturam as categorias de obras feitas por populações inferiorizadas historicamente - como a arte produzida na América Latina, por mulheres, pessoas indígenas, negras, transgêneras? Qual o significado das categorias - América Latina, mulheres, indígenas, negros e negras, pessoas transgêneras - em coleções, exposições e discursos do sistema da arte?

A partir destas indagações, o curso propõe trazer à superfície a complexidade dos processos de representação dos territórios latino-americanos, assim como a subalternização de uma pluralidade de experiências visuais através de hierarquizações modernas e ocidentais do ver.

O curso terá encontros semanais, sendo debatidos 4 textos em formato de rodas de conversa. Serão consideradas também contribuições estéticas e textuais trazidas pelos participantes, em diálogo com as discussões realizadas coletivamente.

Os encontros terão como eixos de investigação: colonialidade do ver, estética decolonial e epistemologias do sul.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Luciano Favaro)

Palestrantes

Bruno Oliveira

Bruno Oliveira

Educador e artista visual. É doutorando em Artes Visuais pela UFMG e mestre em Estudos Interdisciplinares Latino-Americanos pela UNILA, com pesquisa sobre exercícios decoloniais nas artes visuais latino-americanas. Atua como coordenador do Centro Cultural da Casa 1 e é educador do JAMAC.
(Foto: Gui Mohallem)

Luciano Favaro

Luciano Favaro

Artista visual e educador. Participou das Primeras Jornadas de Pensamiento Descolonial na Universidade de Avellaneda. Coordenador do Projeto solo sul. Coordenador e educador do coletivo Si, Yo Puedo!, organização que atua pela integração migratória na cidade de São Paulo.
(Foto: Julia Viana)

Bibliografia

LUGONES, María; JIMENEZ-LUCENA, Isabel; TLOSTANOVA, Madina. Género y descolonialidad. Argentina: Ediciones del Signo, 2008.
CASTRO-GOMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistemica mas alla del capitalismo global. Bogota: Siglo del Hombre/ Universidad Central/ Instituto de Estudios Sociales Contemporaneos/ Pontificia Universidad Javeriana/ Instituto Pensar, 2007. WALSH, Catherine. Pedagogías Decoloniales. Práticas Insurgentes de resistir, (re)existir e (re)vivir. Equador: Editora Abya-Yala, 2017.
CUSICANQUI, Silvia Rivera.Chhixinakax utxiwa - Una reflexión sobre prácticas y discursos descolonizadores. La Buenos Aires: Tinta Limón, 2010.
___. Principio Potosi¿ reverso. Madrid: Editorial Museo Nacional Reina Sofia, 2010.
___. Sociologia de la imagen: miradas ch'ixi desde la historia andina. Buenos Aires: Tinta Limón Ediciones, 2015.
ESCOBAR, Ticio. El mito del arte y el mito del pueblo: cuestiones sobre arte popular. Peroni Ediciones, 1987.
GIUNTA, Andrea. Feminismo y Arte Latinoamericano: Historias de artistas que emanciparon el cuerpo. Buenos Aires: Siglo XXI, 2018.
MELENDI, Maria Angélica. Estratégias da arte em uma era de catástrofes. Belo Horizonte: Cobogó, 2017.
PALERMO, Zulma (Ed.). Para una pedagogi¿a decolonial. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2014.
SANTOS, Boaventura de Souza. A gramática do tempo. Sa¿o Paulo: Cortez, 2006.
SANTOS-HERCEG, José. Conflicto de representaciones - América Latina como
lugar para la filosofia. Santiago: Fondo de Cultura Economica, 2010.
QUIJANO, Anibal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: LANDER, Edgardo (Comp.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO - Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2000.

Data

19/09/2019 a 07/11/2019

Dias e Horários

Quintas, 10h30 às 12h30.

As inscrições podem ser feitas a partir de 27 de agosto, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira