Atividades

O curso visa apresentar a centralidade dos sinos na história do Brasil, destacando sua conexão primordial com o continuum civilizatório africano

Curso Presencial
O sino da igrejinha faz belém blem blom: sineiros africanos no Brasil (Séc. XIX)

Voltar para o início O sino da igrejinha faz belém blem blom: sineiros africanos no Brasil (Séc. XIX)

Programa

Esse curso em quatro encontros visa discutir a história, as musicalidades e os significados das diversas tradições sineiras brasileiras buscando romper com a perspectiva colonial eurocentrada que interpretou a história e o significado sociocultural dos sinos das igrejas católicas no Brasil e principalmente do oficio dos sineiros como sendo exclusivamente pertencentes à uma matriz cultural europeia e apenas como parte de uma cultura sonora subalternizada a ordem escravista colonial.

A partir dos resultados da pesquisa histórica realizada pelo professor Rafael Galante, o curso visa apresentar a centralidade que os sinos tiveram na história social do nosso país, destacando sua conexão primordial com a diáspora africana.

Nesse sentindo, reconhecendo a importância da agência criativa dos sineiros africanos e de seus descendentes afro-brasileiros, o curso parte da premissa de que suas experiências e os processos de construção de suas tradições culturais no Brasil só podem ser adequadamente compreendidos por meio da historicidade de seus próprios legados civilizatórios africanos.

As inscrições podem ser feitas a partir das 14h do dia 28/3 no site do Centro de Pesquisa e Formação  do Sesc, através do app ou presencialmente em qualquer unidade do Sesc São Paulo. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

O pagamento pode ser feito através do cartão de crédito, débito ou em dinheiro. Trabalhamos com as bandeiras Visa, Mastercard, Elo e Hipercard.

Ao término do curso, você poderá solicitar sua declaração de participação pelo e-mail declaracao.cpf@sescsp.org.br
A declaração será encaminhada em até 30 dias

O cancelamento poderá ser realizado com até 48 horas antes do início da atividade, por email: centrodepesquisa.cpf@sescsp.org.br

(Foto: José Manuel Martinez Reyes - Pexels)

Palestrantes

Rafael Galante

Rafael Galante

Historiador e etnomusicólogo. Mestre e doutor em História Social pela Universidade de São Paulo. Sua tese de doutorado: "Essa gunga veio de lá!" - Sinos e sineiros na África Centro-Ocidental e no Brasil centro-africano" recebeu o Prêmio Sílvio Romero de Monografias de Folclore e Cultura Popular 2023, concedido pelo Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular do IPHAN. Em 2014 esteve como professor visitante do Departamento de Português e Espanhol da Universidade Smith College, em Massachusetts, EUA e no segundo semestre de 2017 esteve como pesquisador visitante no Departamento de História da Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo, Moçambique. Já realizou cursos sobre seus temas de pesquisa em diversas instituições culturais públicas e privadas, dentre elas o Museu de Arte de São Paulo (MASP), Fundação Ema Klabin, Acervo África, Centro Cultural Vale Maranhão, Universidade Eduardo Mondlane, Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Realizou pesquisas de campo sobre música, religião e cultura popular em comunidades quilombolas e tradicionais do Brasil, de Cuba e de Moçambique, investigando sempre a presença cultural africana nos processos históricos de formação das culturas musicais e identidades afro-diásporicas no âmbito do espaço atlântico.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

23/04/2024 a 14/05/2024

Dias e Horários

Terças, 15h às 18h.

Curso Presencial

Inscrições a partir das 14h do dia 28/3, até o dia 23/4.
Enquanto houver vagas.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira

Inscreva-se agora