Atividades

Os ritmos fronteiriços do Mato Grosso é o tema deste autografias

Autografias
Para fazer chorar as pedras: Guarânia, Polca Paraguaia e Chamamé

Voltar para o início Para fazer chorar as pedras: Guarânia, Polca Paraguaia e Chamamé

Programa

"Para fazer chorar as pedras" é o segundo livro de investigação etnomusicológica, conforme aponta o sub-título o livro versa sobre guarânias e rasqueados em um Brasil fronteiriço, referindo-se a esses gêneros musicais no Mato Grosso do Sul, nas décadas de 1940 e 1950.

No entanto, a pesquisa, aborda bem além desses dois gêneros, se adentrando em reflexões que envolvem o contexto musical sul-matogrossense e o cenário da música popular no Brasil. Nesta palestra o autor, além de explanar sobre a sua pesquisa, convidará o público a vivenciar os gêneros musicais abordados.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Arte: Divulgação)

Palestrantes

Evandro Higa

Evandro Higa

Natural de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, é pianista e docente no curso de música da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, mestre em musicologia pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo e doutor em música pelo Instituto de Artes da Unesp.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

22/11/2019 a 22/11/2019

Dias e Horários

Sexta, 19h às 21h.

As inscrições podem ser feitas a partir de 29 de outubro, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

Grátis

Inscreva-se agora