Atividades

A dinâmica que entrelaça passado, presente e futuro

Preservação audiovisual: história, conceitos, práticas

Voltar para o início Preservação audiovisual: história, conceitos, práticas

Programa

Tradução em Libras disponível. Faça sua solicitação no ato da inscrição, com no mínimo dois dias de antecedência da atividade.

A preservação audiovisual foi um dos grandes objetos de estudo, trabalho e paixão de Paulo Emilio Salles Gomes. E é a preservação o centro de interesse e discussão deste curso, que faz parte do Ciclo “100 Paulo Emilio”.
No campo do audiovisual, a preservação não costuma ocupar lugar de destaque. No entanto, é eixo fundamental no universo do audiovisual, na medida em que se propõe tanto a cuidar quanto a construir o patrimônio, garantindo também o acesso aos diversos elementos que o compõem.

Tudo isso dentro de uma dinâmica que entrelaça a todo momento passado, presente e futuro. Este curso, organizado por Luciana Corrêa de Araújo e Mateus Nagime, procura abordar o tema sob diferentes perspectivas, explorando aspectos históricos, conceituais, metodológicos e tecnológicos, de maneira a proporcionar aos alunos uma compreensão ao mesmo tempo abrangente e detalhada das particularidades que constituem o campo da preservação audiovisual.

Os alunos terão a oportunidade de conhecer a Cinemateca Brasileira, em uma visita guiada pelos técnicos da instituição. Alguns dos palestrantes do curso também estarão presentes para complementar informações dadas em sala de aula. O transporte do Sesc à Cinemateca, de ida e volta, será fornecido pelo Sesc.

03/09 - Apresentação do curso
Com Luciana Corrêa de Araújo

03/09 - A preservação audiovisual no Brasil – história, acervos e políticas
A aula abordará em caráter introdutório a trajetória da preservação audiovisual no Brasil, apresentando as primeiras iniciativas, a criação das grandes cinematecas, a regionalização através da rede MIS, a formação no exterior a partir dos anos 70, a criação de arquivos de televisão, as crises e a disseminação da cultura da preservação nos anos 2000 a partir do boom de restaurações e por fim a instituição do CineOp e da ABPA.
Com Hernani Heffner

10/09-Conceitos e procedimentos da preservação audiovisual

Acervos em suporte fotoquímico
Apresentação dos princípios, técnicas e métodos relacionados com a preservação de acervos audiovisuais em suporte fotoquímico, abordando-se os seguintes tópicos: a estrutura físico-química da película; a influência dos fatores ambientais; os espaços de acondicionamento (macro e micro ambiente de conservação) e suas características ideais e reais; a tipologia e a degradação dos materiais; os processos de estabilização ou desaceleração da deterioração dos materiais; a infraestrutura de guarda; o manuseio dos materiais para a conservação, a catalogação e a restauração, o gerenciamento de coleções.
Com Débora Butruce

A preservação audiovisual digital
Com o advento da mídia digital, diversos meios se transformaram drasticamente – mais notadamente a produção e exibição de cinema e televisão, as artes, e as práticas sociais, hoje mediadas através de dispositivos audiovisuais móveis. A preservação desta produção audiovisual digital requer abordagens inovadoras, bem como distintos fluxos de trabalho, ferramentas, recursos financeiros, experiência e infraestrutura. Seus principais desafios são a deterioração e obsolescência de mídia, formatos de arquivo, software e hardware; o gerenciamento de metadados; a migração de dados; e a manutenção de tecnologia obsoleta e incorporação de tecnologia emergente. Esta aula irá apresentar uma breve investigação da história do digital, as técnicas e mídias disponíveis para a preservação hoje, e as perspectivas de desenvolvimento.
Com Ines Aisengart Menezes

17/09- A preservação para além dos filmes

Preservação de documentos; difusão e programação
O arquivo audiovisual e seus documentos não fílmicos. Diversidade de suportes e os perfis das coleções. A contribuição das coleções documentais para a pesquisa acadêmica. Documentos não fílmicos e atividades de difusão em arquivos de filmes: mostras de filmes, exposições, disponibilização de conteúdos na Internet. Direitos sobre a utilização dos documentos não fílmicos: consultas públicas e consultas sob autorização prévia dos detentores de direitos legais. Interdisciplinaridade: benefícios, obstáculos e desafios da reunião de diferentes áreas do conhecimento no cotidiano de um arquivo de filmes. A necessidade da cinefilia no arquivo de filmes do século XXI.
Com Fabricio Felice

Preservação de tecnologias, espaços e práticas audiovisuais
Casos de preservação dos espaços de exibição audiovisual públicos e privados. A importância da tecnologia para a exibição cinematográfica: preservação de projetores de película, aparelhos U-Matic, videocassete e sistemas operacionais de computador, entre outros, em meio a falta de mão de obra e peças de reposição. Outras imagens em movimento: jogos de vídeo, fliperama, videoarte. Pós-cinema e uma cultura de imagens em movimento: Youtube, celulares, câmeras de vigilância, monitores em transportes públicos e elevadores. O cinema ainda é exclusividade da sala de cinema? Os atuais desafios da preservação audiovisual.
Com Mateus Nagime

24/09-Preservação e restauração: outras bitolas, outras propostas; a cor nos filmes silenciosos

Preservação de filmes de família, de amadores, dos “filmes órfãos”
Existe um manancial de filmes preservados em arquivos e cinematecas que, em vez de concebidos para serem projetados numa sala escura diante de um público pagante, foram criados por personagens diversos: famílias interessadas em criar álbuns em movimento, cineastas amadores que se aventuravam na criação de pequenas ficções, cientistas dedicados ao ensino técnico através do cinema, filmes de viagem e expedições, entre outros. Um universo de produção que se tornou possível com o lançamento de bitolas menores e equipamentos para o público amador –  9.5mm, 8mm, 16mm, Super 8, vídeo analógico e digital –, muitas vezes esses filmes chegam aos arquivos sem muitas informações sobre o seu contexto de produção revestindo essas imagens de um certo mistério e esquecimento. Buscaremos na presente aula traçar um breve histórico do surgimento desse circuito alternativo de produção e delimitar as particularidades quanto a sua preservação.
Com Lila Foster

Restaurando a cor nos filmes silenciosos
Acompanhada com diversas imagens e exemplos, a aula abordará diferentes técnicas de restauração de cor dos filmes silenciosos, como separação cromática, cópia em película PB e colorida, método Desmet Colour. Serão explicadas as qualidades e defeitos de cada técnica, com aprofundamento no método Desmet Colour.
Com Luisa Malzoni

Visita guiada à Cinemateca Brasileira.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Palestrantes

Luciana Corrêa de Araújo

Luciana Corrêa de Araújo

Pesquisadora de cinema, professora da UFSCar, com Doutorado pela ECA/USP e Pós-Doutorado realizado na Unicamp. É autora de Joaquim Pedro de Andrade: primeiros tempos (Alameda, 2013).
(Foto: Acervo Pessoal)

Hernani Heffner

Hernani Heffner

Ingressou na Cinemateca do MAM-RJ em 1996, passando pela Curadoria de Documentação e Pesquisa e assumindo em 1999 o cargo de Conservador-Chefe do Arquivo de Filmes. Professor da PUC/Rio desde 2005, onde também atualmente cursa o mestrado em Comunicação Social. Curador da temática preservação da Mostra de Cinema Ouro Preto desde 2012.
(Foto: Acervo Pessoal)

Débora Butruce

Débora Butruce

Doutoranda em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA-USP. Em 2009 fundou a Mnemosine Serviços Audiovisuais, empresa especializada em projetos de preservação e restauração audiovisuais. Integra o Comitê Gestor de Preservação do Programa Setorial do Audiovisual da SEC-RJ.
(Foto:Acervo Pessoal)

Ines Aisengart Menezes

Ines Aisengart Menezes

Técnica em preservação audiovisual. Mestre em Preservation and Presentation of the Moving Image, Heritage Studies na Universidade de Amsterdam. Atualmente trabalha na Cinemateca Brasileira.
(Foto: Acervo Pessoal)

Fabricio Felice

Fabricio Felice

Mestre em Imagem e Som pela UFSCar. Coordenador do Centro de Pesquisa e Documentação da Cinemateca do MAM-RJ (2011-2015). Diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual - ABPA (2014-2016).
(Foto: Acervo Pessoal)

Mateus Nagime

Mateus Nagime

Mestre em Imagem e Som pela UFSCar, onde estudou o princípio do cinema queer no Brasil. Curador de mostras cinematográficas. Membro da Diretoria da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual, como tesoureiro (2013-14) e secretário-geral (2014-16).
(Foto: Acervo Pessoal)

Lila Foster

Lila Foster

Pesquisadora e produtora cultural. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais na ECA/USP. Desde 2010 organiza o Dia do Filme Caseiro e o eixo histórico do Curta 8 - Festival Internacional de Cinema Super 8 de Curitiba.
(Foto: Acervo Pessoal)

Luisa Malzoni

Luisa Malzoni

Formada em Fotografia pelo Senac-SP, em 2001. Além de fotógrafa e professora, trabalha no laboratório de imagem e som da Cinemateca Brasileira.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

03/09/2016 a 24/09/2016

Dias e Horários

03/09 a 17/09 Sábados 10h às 13h
24/04 Sábado 10h às 18h30

As inscrições podem ser feitas a partir de 25 de Agosto, às 14h, pelo site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira