Atividades

Modo de viver de migrantes recém-chegados ao Brasil

Contextos
Sociabilidade migrante

Voltar para o início Sociabilidade migrante

Programa

Sociabilidade migrante é uma composição de narrativas que buscam trazer o modo de viver a História pelos migrantes recém-chegados ao Brasil, particularmente aqueles que vivem na região central da cidade de São Paulo.

São narrativas criadas em diferentes linguagens: imagens estáticas e em movimento, (fotografias, vídeos e curta metragens), dança, música e depoimentos pessoais.

O curso se propõe a fazer uma interpretação dessas narrativas, na tentativa de que acontecimentos históricos de caráter mundial como a migração possam ganhar contornos dados pelos sujeitos que vivem e fazem cotidianamente essa história.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Bia Hong)

Palestrantes

Aboubacar Cisse

Aboubacar Cisse

Guineano, percussionista. Integrou como percussionista o grupo Sabougnouman e o ballet Afrika Dance. No Brasil, integra o Ballet Fareta Sidibé e é percussionista da Orquestra Mundana Refugi.
(Foto: Acervo Pessoal)

Aboubacar NGazy Sidibé

Aboubacar NGazy Sidibé

(Aboubacar Sidibé), bailarino, coreógrafo, percussionista e contador de histórias, reconhecido como diplomata da cultura da Guiné. Participa de projetos de formação educativa em escolas e casas de cultura e dirige o Centro de Estudos de Cultura da Guiné e o grupo Fareta Sidibé.
(Foto: Acervo Pessoal)

Alice Bayili

Alice Bayili

Burquinense, trabalhou num projeto social informal de grupo de mulheres no vilarejo do Somiaga, Burkina Faso. Foi orientadora dos grupos artísticos no Festival FITD/ATB e secretária adjunta das atividades culturais e da juventude no Inedit Business Burkina (IBB). No Brasil, foi secretária adjunta da ONG África de Coração e participou do projeto moda na periferia com a Ação Educativa.
(Foto: Acervo Pessoal)

Celina Fernandes

Celina Fernandes

Mestre em Sociologia da Educação pela USP na área de História, Memória e Imaginário. Trabalha com migrantes em projetos culturais. Foi coordenadora pedagógica de escolas particulares em São Paulo e consultora sênior da UNESCO para projeto de elaboração curricular de 2011 a 2014.
(Foto: Acervo Pessoal)

Edoh Amassize

Edoh Amassize

Percussionista e artista múltiplo, autodidata, integrante do grupo Maobé e da banda Cumbia Cavalera. Já se apresentou em diversos países e é especialista em instrumentos de percussão africanos.
(Foto: Acervo Pessoal)

Lupita

Lupita

(Ibrahima Sory Sako), guineano de Conacri. Bailarino e percussionista, foi dançarino no Ballet Sanké e bailarino e percussionista no Ballet Nacional Djoliba. No Brasil desde 2016, foi coreógrafo, dançarino e percussionista no Ballet Afro Koteban e integra o Ballet Fareta Sidibé como percussionista, bailarino e cantor.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

20/05/2019 a 04/06/2019

Dias e Horários

Segundas e Terças, das 19h30 às 21h30.

As inscrições podem ser feitas a partir de 25 de Abril, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira

Inscreva-se agora