Atividades

Manifestações culturais ciganas

Contextos
Sons da diáspora: tradições e tendências da cultura cigana

Voltar para o início Sons da diáspora: tradições e tendências da cultura cigana

Programa

O curso tem como objeto o estudo teórico e prático da cultura cigana por meio de algumas de suas principais manifestações artísticas: o flamenco, o balcânico e o manouche. Acrescenta-se a isso a música dos ciganos calon no Brasil, especialmente no Nordeste. Os tópicos serão abordados no contexto histórico, social e artístico, destacando as influências e representatividades nas sociedades mais amplas no passado e na atualidade.

Flamenco, patrimônio cultural da humanidade é um dos símbolos da cultura espanhola. De origem cigana e mourisca está associado à região de Andaluzia e é uma forma de arte multicultural composta por Musica e Baile. De raízes antigas e diversas é originário da fusão das comunidades que habitavam o sul da Espanha desde os tempos da presença muçulmana na área, da cultura cigana que se origina na Índia e perambula por toda a Europa, da cultura árabe e da música dos judeus sefarditas. Suas principais vertentes são o cante, o baile e a guitarra.

A península dos Balcãs é caracterizada por uma enorme diversidade étnica, cultural e religiosa, e por um alfobre riquíssimo de ritmos e melodias.  Os ciganos participam ativamente dessa miríade de estilos, resultando numa forte associação entre os termos “roma” (cigano) e “música”. A fusão de “Balkan beats” com música cigana da região ficou conhecida no Ocidente como “Balkan music”, manifestação em que são reforçadas representações estereotipadas dos ciganos como exóticos e sensuais com objetivos mercadológicos.

Criado nos anos 30 pelo guitarrista cigano Django Reinhardt, o “Jazz cigano”, conhecido também como “Jazz Manouche” (em referência aos ciganos da região francófona da Europa), é um estilo de jazz original desenvolvido a partir da musicalidade cigana e que se utiliza, sobretudo, de instrumentos de cordas. Popularizou-se nos últimos anos e os festivais dedicados ao estilo se multiplicam em várias partes do mundo, incluindo o Brasil.

Os ciganos calon, a partir de sua vinda da Europa para o Brasil em meados do século XVI, instituíram uma nova etapa na constante diáspora ao redor do globo. A itinerância forçada pelo Nordeste trouxe consigo poucas opções de formação profissional e ascensão social.

Para espantar a tristeza, a música advinda das Trovas do Jaimpem, do dedilhar de um violão (pouco comum), ou das cantigas entoadas pelos pais para embalar o sono das crianças, faziam dos dias tristes mais alegres, e ajudavam a suportar a melancolia de suas lembranças. Essa “escola musical” Calon, embora de caráter milenar, nunca foi instrumentalizada por meio de uma teoria musical sólida, sendo sua repercussão dada por meio de improvisos e adaptações de ritmos locais.

A falta de oportunidades não permitia a revelação dos talentos Calon na música dita tradicional, entretanto, atualmente estão conseguindo algum destaque no meio artístico através de nomes populares de ascendência regionalizada, com alguns expoentes conhecidos nacionalmente. Seus estilos são atualizados pelas novas tendências da indústria musical e pela demanda por um ritmo e composição de letra que privilegie o cotidiano boêmio.


Programa
Dia 28/1, das 14h30 às 18h
Apresentação; performance musical; definições, conceitos e metodologia; introdução aos estilos: Balcânico, Manouche e Flamenco.

29/1, das 14h30 às 18h
Flamenco: história, origens, conceitos e estruturas; cante: tipos, variações e características, baile: indumentária, expressão, sapateado e mãos; guitarra: história, construção, técnicas e características.

30/1, das 14h30 às 18h
Balcânico: história, origens, conceitos e estruturas; estilos, variações e características, a música Balkan no Brasil e no Mundo, atualidades.

31/1, das 14h30 às 18h
Manouche: história, origens, conceitos e estruturas; estilos, variações e características, ritmo, harmonia, instrumentos; principais artistas, manouche no Brasil.

1/2, das 14h30 às 18h
Calon: história, estilos e músicos no nordeste brasileiro.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Ilustração: Camaron de la Isla y Paco de Lucia - Public_Domain)

Palestrantes

Ricardo Marcelo Luiz

Ricardo Marcelo Luiz


(Marcelo Cigano), acordeonista autodidata de origem cigana. Em 2013 lançou seu primeiro CD intitulado "Influência do Jazz", com direção de Oliver Pellet e participações de Hermeto Pascoal e Toninho Ferragutti, entre outros. 
(Foto: Acervo Pessoal)


Murillo Da Rós

Murillo Da Rós

Violonista flamenco e compositor. Iniciou sua carreira musical estudando diversas vertentes da musica universal, especialmente o violão flamenco. Entre os trabalhos recentes estão os CDs Triskle e Fenix e o DVD Arte Nômade selecionado para o 24º Prêmio da Música Brasileira.
(Foto: Acervo Pessoal)

Israel Fogaça Jr

Israel Fogaça Jr

Violinista, dedica-se ao desenvolvimento de Música de Câmara e ao Gypsy Jazz - Manouche.
(Foto: Acervo Pessoal)

Jucelho Dantas da Cruz

Jucelho Dantas da Cruz

Cigano calon, doutor em Ciências Biológicas (Zoologia) pela UNESP e professor adjunto da UEFS. Atual representante dos Ciganos da Bahia na Comissão Estadual para a Sustentabilidade dos Povos e Comunidades Tradicionais (CESPECT), junto à Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI).
(Foto: Acervo Pessoal)

Winicius Luiz

Winicius Luiz

Acordeonista, estudante, cigano rom.
(Foto: Acervo Pessoal)

Luiz Zanata da Silva Dantas

Luiz Zanata da Silva Dantas

(Breno Cigano), cigano da etnia calon, estudante e intérprete.
(Foto: Acervo Pessoal)

Zanata Ribeiro Dantas

Zanata Ribeiro Dantas

Cigano da etnia calon, suplente da representação dos Povos Ciganos na Comissão Estadual para a Sustentabilidade dos Povos e Comunidades Tradicionais (CESPCT), ligado à SEPROMI no Estado da Bahia. Comerciante, cantor e compositor.
(Foto: Acervo Pessoal)

Leandro Brenner

Leandro Brenner

Violonista, arranjador e professor de música.
(Foto: Acervo Pessoal)

Olívio de Souza Filho

Olívio de Souza Filho

Arranjador e produtor musical. Atualmente trabalha com o artista pernambucano Antônio Nóbrega e com o grupo de teatro Banda Mirim.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

28/01/2019 a 01/02/2019

Dias e Horários

Segunda a Sexta, 14h30 às 18h.

As inscrições podem ser feitas a partir de 19 de Dezembro, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira

Inscreva-se agora