Atividades

Literatura e identidades nacionais

Diversos 22
Tal Brasil, Qual Romance?

Voltar para o início Tal Brasil, Qual Romance?

Programa

No bicentenário da independência, autores, críticos, ensaístas e historiadores se reúnem neste ciclo --organizado por Schneider Carpeggiani e Joselia Aguiar --para pensar narrativas brasileiras a partir do encontro entre literatura e história.

Em conversas semanais, estão em debate a produção que, na cena contemporânea, atualiza e renova a tradição literária ao tratar de questões históricas, sociais e culturais.

O ciclo toma emprestado o título de uma obra publicada quatro décadas atrás pela crítica literária Flora Sussekind que pretendia problematizar a própria ideia de uma identidade nacional como homogênea e indiscutível. As mesas, que tratam sobretudo obras realizadas hoje por nomes das mais diferentes origens e trajetórias, vão recuperar o pensamento sobre literatura no decorrer dos dois últimos séculos.

Mesa 1- O sol da liberdade
O primeiro debate do ciclo Tal Brasil, Qual Romance vai girar em torno das linhas de força da poesia e do romance brasileiros na cena contemporânea - o novo pensamento crítico e a produção atual.
Com Edmilson de Almeida Pereira, Flora Sussekind, Milena Britto e Heloisa Starling.

Mesa 2 - Dias de luta
Nesta segunda conversa do ciclo Tal Brasil, Qual Romance abordamos a literatura que trata de lutas políticas -os movimentos antirracista e feminista, o enfrentamento das ditaduras, a redemocratização e a construção da cidadania.
Com Eliana Alves CruzRegina Dalcastagné e Tatiana Pequeno.

Mesa 3 - Verde bandeira
A literatura que enfrenta o debate sobre meio ambiente no país é o eixo deste terceiro encontro do ciclo Tal Brasil, qual Romance. Na cena mais recente, cresce a produção artística e literária em diálogo com as questões da natureza e que recupera na modernidade do espaço urbano cosmovisões não ocidentais.
Com Naine Terena, Ignácio de Loyola Brandão e Ricardo Aleixo.

Mesa 4 - Retratos do Brasil
No quarto encontro do ciclo Tal Brasil, Qual Romance, discute-se a renovação da produção biográfica a partir de personagens e enfoques antes poucos explorados da cena política e cultural.
Com Bianca Santana, Francesco Perrota Bosch e Mário Magalhães.

Mesa 5 - Mostra a tua cara
O quinto encontro do ciclo Tal Brasil, Qual Romance propõe-se a ir além das narrativas canônicas que construíram uma identidade brasileira entre os séculos 19 e 20. O novo país que surge na produção atual mira a alteridade, trazendo ecos indígenas e quilombolas, o Brasil além do cenário urbano e que ultrapassa o discurso heteronormativo.
Com Amara Moira, Luiz Antonio Simas, Paloma Franca Amorim e Wlamyra Albuquerque.

Mesa 6 -No fio da navalha
Para encerrar o ciclo Tal Brasil, qual Romance, o principal eixo da conversa é a violência que marca historicamente o país e é cenário de narrativas tanto no espaço urbano quanto no interior.
Com Edyr Augusto Proença, Bruno Ribeiro, Ian Fraser e Patricia Melo.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, solicite pelo e-mail centrodepesquisa.cpf@sescsp.org.br, após a conclusão e efetivação do pagamento da sua inscrição, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.

As inscrições podem ser feitas a partir das 14h do dia 26/8 no site do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc ou presencialmente em qualquer unidade do Sesc São Paulo. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição. O cadastro é pessoal e intransferível.

O pagamento pode ser feito através do cartão de crédito, débito ou em dinheiro. Trabalhamos com as bandeiras Visa, Mastercard, Elo e Hipercard.

** Ao término do curso, você poderá solicitar sua declaração de participação pelo e-mail declaracao.cpf@sescsp.org.br
A declaração será encaminhada em até 30 dias

*** Havendo ainda disponibilidade de vagas para os cursos presenciais, as inscrições poderão ser feitas no dia do curso no Centro de Pesquisa e Formação.

O cancelamento poderá ser realizado com até 48 horas antes do início da atividade, por email: centrodepesquisa.cpf@sescsp.org.br

Palestrantes

Mário Magalhães

Mário Magalhães

Jornalista e escritor diversas vezes premiado no Brasil e no exterior, é autor da biografia "Marighella: O guerrilheiro que incendiou o mundo". Publicou, entre outros, "Sobre lutas e lágrimas: Uma biografia de 2018". Seu próximo livro será uma biografia de Carlos Lacerda, em dois volumes.
(Foto: Daniel Bianchini)

Amara Moira

Amara Moira

Travesti, feminista, doutora em teoria e crítica literária (com tese sobre as indeterminações de sentido no "Ulysses" de James Joyce) e autora dos livros "E se eu fosse puta" (hoo editora, 2016), onde escreve sobre suas experiências como trabalhadora sexual, e "Neca + 20 Poemetos Travessos" (O Sexo da Palavra, 2021).
(Foto:
Acervo Pessoal)

 

Luiz Antônio Simas

Luiz Antônio Simas

Escritor, professor, historiador, educador e compositor. É autor de mais de vinte livros e uma centena de ensaios e artigos publicados sobre carnavais, folguedos populares, macumbas, futebol e culturas de rua. Ganhou o Prêmio Jabuti de Livro de Não Ficção do ano de 2016, pelo Dicionário da História Social do Samba, escrito em parceria com Nei Lopes. Foi finalista do prêmio em duas outras ocasiões.
(Foto: Acervo Pessoal)

Joselia Aguiar

Joselia Aguiar

Jornalista e escritora, doutora em história (USP). Foi curadora da Festa Literária Internacional de Paraty -FLIP (2017-2018) e dirigiu a Biblioteca Mário de Andrade (2019-2021). De sua autoria, Jorge Amado - uma biografia  venceu o prêmio Jabuti 2019 na categoria biografia, documentário e reportagem. Seu próximo livro gira em torno da vida e obra da pintora Djanira da Motta e Silva.
(Foto: Acervo Pessoal)

Schneider Carpeggiani

Schneider Carpeggiani

Jornalista e crítico literário. É doutor em Teoria Literária pela UFPE e foi curador de eventos como a Bienal do Livro de Pernambuco e o Festival de Literatura do Recife - A Letra e a Voz. Atualmente é editor do Suplemento Pernambuco e coordena o Selo Suplemento Pernambuco.
(Foto: Acervo Pessoal)

Bianca Santana

Bianca Santana

Jornalista. Autora de  “Arruda e guiné: resistência negra no Brasil contemporâneo” (Fósforo, 2022), "Continuo preta: a vida de Sueli Carneiro" (Companhia das Letras, 2021) e "Quando me descobri negra" (SESI-SP, 2015). Doutora em ciência da informação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.
(Foto: Caio Franco)

Regina Dalcastagné

Regina Dalcastagné

Professora titular livre da Universidade de Brasília. Coordena o Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea (GELBC). Edita a revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, do GELBC. Publicou, entre outros,  O espaço da dor: o regime de 64 no romance brasileiro (Editora UnB, 1996) e Literatura brasileira contemporânea: um território contestado (Editora da UERJ, 2012).
(Foto: Acervo Pessoal)

Flora Süssekind

Flora Süssekind

Crítica literária, ensaísta e professora do curso de Estética e Teoria do Teatro no Centro de Letras e Artes da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) . É autora, entre outros, de “Tal Brasil, qual romance?” (1984), “Cinematógrafo de letras” (1987) , “O Brasil nao é longe daqui” (1990) e “Coros, contrários, massa” (2022). Atuou como pesquisadora do Centro de Pesquisa da Fundação Casa de Rui Barbosa até 2020.
(Foto: Acervo Pessoal)

Heloisa Starling

Heloisa Starling

Historiadora, cientista política e professora titular-livre da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). É autora de Os senhores das Gerais (1986), Lembranças do Brasil (1999), Brasil: Uma biografia (2015), com Lilia Moritz Schwarcz, República e democracia: Impasses do Brasil contemporâneo (2017) e Ser republicano no Brasil colônia (2018), entre outros
(Foto: Acervo Pessoal
)

Wlamyra Albuquerque

Wlamyra Albuquerque

Professora de História  do Brasil do departamento de História ( UFBa). É doutora em História Social ( Unicamp), bolsista Produtividade CNPq, Tinker Visiting Professor UChicago ( março -junho 2022). e bolsista Fulbright Cátedra Ruth Cardoso Georgetown-USA ( agosto-dez 2022).
(Foto: 
Adilton Venegeroles)

Ricardo Aleixo

Ricardo Aleixo

Artista intermídia e pesquisador de Literaturas, outras artes e mídias, Ricardo Aleixo recebeu da UFMG, em 2021, o título de Notório Saber, equivalente ao grau de doutor. Desde 1992, quando lançou Festim – Um desconcerto de música plástica, seu livro de estreia, já lançou outros 14 títulos, dentre os quais se destacam Modelos vivos (Ed. Crisálida, 2010) e o mais recente, Extraquadro (Ed. Impressões de Minas/LIRA, 2021).
(Foto: Autorretrato)

Francesco Perrotta-Bosch

Francesco Perrotta-Bosch

Ensaísta e arquiteto. É autor do livro "Lina: Uma Biografia" (Todavia, 2021). Mestre pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e doutorando pela mesma instituição e pela Università IUAV di Venezia. Com “A arquitetura dos intervalos” foi o vencedor do Prêmio de ensaísmo Serrote, promovido pelo Instituto Moreira Salles, em 2013.
(Foto:
Renata Baralle)

Naine Terena de Jesus

Naine Terena de Jesus

Mestre em artes, doutora em educação, comunicóloga. Mulher do povo Terena, é docente, curadora e artista educadora.  É docente na especialização em gestão cultural - ampliação de repertórios, do Instituto Itaú Cultural e pesquisadora do projeto DECAY, financiado pelo Riksbankens Jubileumsfond e idealizadora da Mostra Etnomídia indígena.
(Foto: Acervo Pessoal)

Tatiana Pequeno da Silva

Tatiana Pequeno da Silva

Professora e escritora. Trabalha há 22 anos como professora de produção textual e literaturas de língua portuguesa. É autora de "réplica das urtigas" (Oficina Raquel, 2009), "Aceno" (Oficina Raquel, 2014), "Onde estão as bombas" (Macondo, 2019) e "Tocar o Terror" (Cult, 2022).
(Foto: Acervo Pessoal)

Edyr Augusto Proença

Edyr Augusto Proença

Escritor. É autor, entre outros, de “Pssica” (2015),  “O Teatro de Edyr Augusto” (2022) e “Eu já morri” (2022). Teve também suas obras traduzidas para o francês e foi homenageado da Feira do Livro do Pará de 2022.
(Foto: Acervo Pessoal)

Eliana Alves Cruz

Eliana Alves Cruz

Carioca, escritora, roteirista e jornalista pós-graduada em Comunicação Empresarial, colunista do site UOL e integra a equipe de roteiristas da VIS - Viacom Internacional Studios.
(Foto: Acervo Pessoal)

Bruno Ribeiro

Bruno Ribeiro

Escritor, tradutor e roteirista, é Mestre em Escrita Criativa pela Universidad Nacional de Tres de Febrero (UNTREF) na Argentina. É autor do livro de contos Arranhando Paredes (2014) e dos romances Febre de Enxofre (2016), Glitter (2018), Zumbis e de Bartolomeu, ambos em 2019. Venceu o Prêmio Brasil em Prosa, promovido pela Amazon e o jornal O Globo, o Todavia de Não Ficção e o Prêmio Machado Darkside na categoria Romance/Contos com o romance Porco de Raça lançado em 2021.
(Foto: Acervo Pessoal)

Edimilson de Almeida Pereira

Edimilson de Almeida Pereira

Poeta, ensaísta, autor de literatura infanto-juvenil, professor na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora. Publicou, dentre outros, os livros: Do  presépio à balança: representações  sociais da vida religiosa (Belo Horizonte, Mazza, 1995 – Prêmio Sílvio Romero de Monografias sobre   Folclore e Cultura Popular, Instituto Brasileiro de Arte e Cultura/ IBAC, 1993); Poesia + antologia 2015-2019  (Ed. 34, São Paulo,  2019). Sua obra de ficção inclui O Ausente (Relicário, Belo Horizonte, Prêmio Oceanos, 2021), Um corpo à deriva  (Edições Macondo, Juiz de Fora, Semifinalista do Prêmio Oceanos, 2021) e Front (Nós Editora, São Paulo, Prêmio São Paulo de Literatura, 2021), publicações de 2020.
(Foto: Carlos Mendonça)

Patricia Melo

Patricia Melo

Escritora e roteirista. Estreou na literatura em 1994, com Acqua Toffana. Publicou mais de uma dezena de livros, a maioria já publicada no exterior e alguns adaptados para o cinema e o teatro. Recebeu em 2001 o prêmio Jabuti por O matador. Na Alemanha, venceu duas vezes o prêmio Deutscher Krimi-Preis, por O matador e Ladrão de cadáveres, que recebeu também o LIBeraturpreis. Na França, venceu o Deux Océans também por O matador.
(Foto: Acervo Pessoal)

Ian Fraser

Ian Fraser

Nascido em Salvador (BA). É autor dos romances O sangue é agreste, vencedor do Prêmio Jovem Autor Inédito, pelo Selo João Ubaldo Ribeiro, Noir Carnavalesco, vencedor do III Prêmio ABERST de narrativa longa policial, e da saga Araruama, com campanhas de sucesso no financiamento coletivo. Na dramaturgia, escreveu e produziu a peça A máquina que dobra o nada, vencedor do Prêmio Braskem de Teatro na categoria Melhor Espetáculo Infantojuvenil, e escreveu o texto original de Ensaio para uma redenção, vencedor do Prêmio Braskem de Teatro na categoria Melhor Texto.
(Foto: Acervo Pessoal)

Milena Britto

Milena Britto

Bacharel em letras, possui doutorado em Literatura e Cultura  Brasileira. Entre outros temas, pesquisa gênero e literatura e estratégias de legitimação no campo literário. É professora da Universidade Federal da Bahia, foi professora visitante na Universidad Andina Simón Bolívar, no Equador, e pesquisadora visitante em University of California at Berkeley, onde também foi Leitora. Além da carreira acadêmica, tem atuação em políticas públicas para a área de literatura, tendo sido consultora da UNESCO/MinC/FUNARTE e gestora de literatura da Fundação Cultural do Estado da Bahia entre 2011 e 2015, ocasião em que idealizou e implementou diversos projetos de políticas públicas para a literatura. Participa de ações voltadas para a difusão de leitura, é crítica literária, editora e compõe o coletivo de curadores da Flip 2022.
(Foto: Ana Reis)

Paloma Franca Amorim

Paloma Franca Amorim

Nasceu em Belém do Pará. ´É escritora, dramaturga e professora formada em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo. Em 2017, lançou seu primeiro livro de contos "Eu Preferia Ter Perdido Um Olho", pela Alameda Casa Editorial. Em 2021, seu primeiro romance "O Oito" foi publicado pela mesma editora. Além disso, integrou antologias literárias como "O Amanhã Cheio de Histórias", publicado pela FTD, "Abrindo a Boca, Mostrando Línguas" da editora Paralelo13s. No teatro, em 2021, escreveu a peça "7PISOS", apresentada pelo grupo paulistano Folias d'Arte em 2022. É professora de letramento, escrituras e oralidades da Escola Livre de Teatro de Santo André.
(Foto: Luiza Saad)

Data

27/09/2022 a 01/11/2022

Dias e Horários

Terças, 19h às 21h.

Curso On-line.

Inscrições a partir das 14h do dia 26/8, até o dia 26/9.
Enquanto houver vagas.

Local

Plataforma Zoom

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira