Atividades

Um passeio pelo pensamento tecnopolítico de autonomistas, artistas, hackers e outros rebeldes

Contextos
Tecnopolítica e contracultura

Voltar para o início Tecnopolítica e contracultura

Programa

Se nos anos 1990, com o casamento do digital com a internet, enxergávamos enormes possibilidades de libertação (da informação de grandes grupos midiáticos, de liberdade de falar o que bem quiser, de criar tecnologias e mundos novos), hoje parece que estamos a lidar com consequências nefastas, representadas em uma palavra na moda nestes tempos: distopia.

Nos descuidamos - ou não conseguimos? - prestar atenção na ascensão de plataformas globais de tecnologia, que por sua vez construíram bolhas de informação que confirmam pontos de vista, espalham mentiras e criam realidades alternativas que em muitos casos não há informação comprovada que consiga mudar.

Como podemos compreender o contexto tecnopolítico hoje? Que caminhos podemos apontar para discutirmos e transformarmos a política que sempre está junto na construção de tecnologias? A proposta desse curso é buscar algumas respostas para estas perguntas olhando para o passado e o presente e passear por alguns pensamentos rebeldes sobre a tecnologia desenvolvidos na segunda metade do século XX até hoje.

Começamos pelos autonomistas surgidos no 1° de maio de 68' italiano que durou mais de uma década, com foco especial em Antonio Negri, Franco "Bifo" Berardi, Paolo Virno, Maurizio Lazaratto e Giorgio Agamben.

Passamos pela explosão de novidades da arte e do ativismo digital dos anos 1990 (Wu Ming, mídia tática, altermundistas, Critical Art Ensemble); continuamos com os hackers e seus princípios éticos de transparência, liberdade e autonomia com as tecnologias; e chegamos até hoje, com a ascensão das redes sociais como principais espaços de discussão pública nas redes digitais e o fim da internet como a conhecemos nos 1990 e 2000, a partir da quebra da neutralidade da rede.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Divulgação)

Palestrantes

Leonardo Foletto

Leonardo Foletto

Pesquisador e professor de comunicação e tecnologia. Doutor em Comunicação pela UFRGS, gerencia o BaixaCultura e é integrante do coletivo ciberativista de direitos digitais Casa da Cultura Digital Porto Alegre.
(Foto: Acervo Pessoal)

Leonardo Palma

Leonardo Palma

Pesquisador independente, autonomista, agitador cultural e ativista da Rede Universidade Nômade.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

11/02/2019 a 13/02/2019

Dias e Horários

Segunda a Quarta, 14h às 18h.

As inscrições podem ser feitas a partir de 29 de janeiro, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 4,50 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 7,50 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 15,00 - inteira