Atividades

Qual importância de compreender a cosmo-convivência dos povos andinos? Quais as diferenças entre a racionalidade epistemológica moderna e ocidental e a cosmo-convivência dos povos andinos? Qual a implicação no campo epistemológico?

Contextos
A cosmo-convivência, prática e sabedoria milenar dos povos andinos

Voltar para o início A cosmo-convivência, prática e sabedoria milenar dos povos andinos

Programa

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

A sabedoria dos povos indígenas da América Latina, ganha importância, porque se torna alternativa, necessária, complementar, ou até substituta à perspectiva epistemológica moderna e eurocêntrica. Segundo a narrativa moderna, os povos ameríndios possuem apenas uma cosmovisão, no entanto a filosofia e a ciência são próprias de origem helênica-ocidental europeia fonte da racionalidade epistemológica atual.

A gama de sentidos, ritos e mitos que vinculam ao homem e à mulher dos Andes como parte de uma totalidade, de uma racionalidade distinta à ocidental, apresenta uma complexa ordem de significados polissémicos, comunitários e cosmogónicos.  A vida é pensada como possibilidade, resultado da harmônica vivência dos seres humanos não só como parte da natureza, mas também como parte de uma totalidade: cosmos/mundo/vida. Isso é a cosmo-convivência.

Neste contexto será abordada a concepção andina sobre a Pachamama (Mãe terra) e suas implicações filosóficas na cotidianidade; e finalmente, os significados milenares do uso das sagradas folhas da Coca, hoje, representadas no mastigado, na luta dos povos, nas cerimônias agrícolas e pecuárias, nos atos de conciliação e outras práticas.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

(Foto: Carolina Velasquez)

Palestrantes

Wilbert Villca López

Wilbert Villca López

Sociólogo boliviano, de origem quéchua. Formou lideranças jovens. Comandou políticas agrarias de distribuição da terra. Pesquisa as racionalidades e sabedorias andinas. Coordena o Grupo de Estudos da Língua Quéchua na USP. Mestre pela USP, e doutorando na Université Sorbonne Paris 3, França.(Foto: Patricia Espinoza)

Data

23/06/2017 a 23/06/2017

Dias e Horários

Sexta, 14h às 18h

As inscrições podem ser feitas a partir de 24 de maio às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira

Inscreva-se agora