Atividades

Uma leitura das relações intelectuais e literárias entre Chico Buarque e Sérgio Buarque de Holanda

Contextos
Chico e Sérgio Buarque de Holanda: pai e filho, intérpretes do Brasil

Voltar para o início Chico e Sérgio Buarque de Holanda: pai e filho, intérpretes do Brasil

Programa

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

Em 1967, em pleno acirramento do regime ditatorial no Brasil, Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) proferiu uma conferência na Escola Superior de Guerra, intitulada Elementos Básicos da Nacionalidade: o Homem.

Ao contrário do que sugere o título, em vez de estabelecer traços característicos da identidade nacional, em um ato de coragem, se propôs a discutir a questão da democracia no Brasil. Para ele, o povo sempre esteve fora dos processos decisórios em detrimento de uma elite que executava mudanças em seu benefício próprio.

A perspectiva de modernização e democratização da sociedade brasileira esteve presente ao longo de todo o seu percurso intelectual, pelo menos, desde sua primeira e mais conhecida obra, Raízes do Brasil (1936), mas percebendo a gravida-de da situação política, o intelectual foi categórico como poucas vezes havia sido.

No mesmo ano, seu filho, Chico Buarque escrevia a peça Roda Viva que casualmente representava uma guinada de sua obra em direção ao engajamento político, causando reações violentas. Não é casual que, no mesmo ano, pai e filho tenham reforçado seu posicionamento político contra a ditadura.

Ambos compreendiam que o autoritarismo político era profundamente arraigado no processo de formação do Brasil e o povo só poderia ser integrado no processo decisório se fossem reformuladas as bases patrimonialistas de nossa sociedade.

Se o pai desenvolveu essa preocupação em obras historiográficas, como Visão do Paraíso (1958) e Do Império à República (1972), não seria demais admitir que essa posição crítica também acompanha Chico Buarque por toda sua obra, ganhando contornos próprios, o que inclui não só a sua produção musical, consagrada desde de década de 1960, mas também sua produção ficcional mais recente, em obras como Budapeste (2003), Leite Derramado (2009), O Irmão Alemão (2014).

Além de uma visão panorâmica das principais obras de Sérgio Buarque e de Chico Buarque, este curso busca uma análise cruzada das trajetórias de pai e filho, mostrando como, de um lado, Chico inscreve-se na tradição do pensamento critico social brasileiro, e, de outro, o peso de Sérgio Buarque de Holanda na moldagem da cultura do Brasil contemporâneo.

16/08 - Pai e filho, entre duas ditaduras (Estado Novo e Ditadura Civil-Militar)
Tem por objetivo apresentar uma panorâmica na obra de Sergio Buarque de Holanda, com ênfase no percurso de Raízes do Brasil.

17/08 - Chico Buarque e a "canção de protesto"
Análise da obra musical de Chico Buarque.

18/08 - A literatura de Chico como atualização de Sérgio Buarque
Busca-se estabelecer um cruzamento da obra de pai e filho com ênfase na obra literária de Chico Buarque.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

(Foto: André Filipe de Assunção e Brito)

Palestrantes

Thiago Lima Nicodemo

Thiago Lima Nicodemo

Doutor em História Social pela USP e pós-doutor pelo IEB-USP. É professor do departamento de História da UERJ.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

16/08/2017 a 18/08/2017

Dias e Horários

Quarta a Sexta, 19h às 21h30

As inscrições podem ser feitas a partir de 25 de julho às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira