Atividades

Coletânea apresenta reflexões sobre a cultura e os direitos humanos nas relações internacionais

Autografias
Cultura e direitos humanos nas relações internacionais

Voltar para o início Cultura e direitos humanos nas relações internacionais

Programa

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600


Consideram-se os anos 1970 como referenciais para a superação da predominância das discussões exclusivamente jurídico-político-econômicas pela oferta mais ampla de discussões sobre as relações internacionais, em que temas como a cultura e os direitos humanos passam a um plano de maior relevância, ladeando-se com os tradicionais temas do poder, do direito e da economia. 

 

Costumeiramente dividida em três "debates", o "primeiro debate" tendo ocorrido entre os anos 1920-1950, predominando as discussões jurídicas e políticas sobre as relações internacionais, e o "segundo debate" tendo ocorrido entre os anos 1950-1960, predominando as discussões políticas e econômicas. O chamado "terceiro debate" - que nasce especialmente da crítica epistemológica da predominância do positivismo nos "debates" anteriores - é composto por uma grande gama de correntes com forte matiz culturalista (embora não exclusivamente) e especialmente dedicado aos estudos dos grupos menos privilegiados das relações internacionais (embora também não exclusivamente) frente ao tradicional estudo das grandes potências internacionais e suas áreas de influência política e econômica. Nesse "debate" se incluem correntes explicativas como o feminismo, a teoria crítica, o construtivismo, a teoria da justiça, o pós-modernismo, a tese do fim da história, a tese do choque de civilizações, o multiculturalismo, etc., que trazem todas para o primeiro plano, cada corrente à sua maneira e com sua própria linguagem conceitual, a cultura e os direitos humanos. 

 

A título de exemplo, podemos mencionar a corrente multiculturalista e sua particular compreensão dos fenômenos internacionais ligados à globalização e o crescente fluxo transnacional de elementos como as imigrações, tratados em contextos multilaterais, conflitos étnicos e religiosos, desequilíbrios econômicos, questões ambientais, questões sanitárias e de saúde pública, terrorismo, integração regional etc., incorporando fortemente temas associados à cultura e identidade como questões importantes no estudo das relações internacionais. O que enseja um movimento generalizado de incremento das identidades particulares, no bojo do qual diversas minorias, populações autóctones, grupos de migrantes e imigrantes, etc. manifestam seu desejo de reconhecimento cultural. Nesse aspecto, a relação entre cultura e direitos humanos nas relações internacionais possui um caráter academicamente importante.

 

Desde a publicação da Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), renovando e reafirmando os princípios da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789), os direitos humanos ganharam dimensão claramente internacional tornando-se um dos principais temas da ONU e da concepção humanitária de relações internacionais. Organizada em dois volumes, a produção acadêmica da "XIII Semana de Relações Internacionais da Unesp: Cultura e direitos humanos nas relações internacionais" inclui um volume dedicado ao tema da cultura, intitulado Cultura e direitos humanos nas relações internacionais, vol. I - Reflexões sobre cultura; e um volume dedicado ao tema dos direitos humanos, intitulado Cultura e direitos humanos nas relações internacionais, vol. II - Reflexões sobre direitos humanos.


As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

(Foto: Capa do livro Cultura e direitos humanos nas relações internacionais - Reflexões sobre cultura)

Palestrantes

Rafael Salatini

Rafael Salatini

Pós-doutorando em Sociologia pela USP. Professor do curso de Relações Internacionais da Unesp-Marília,  e Pós-Graduação em Ciências Sociais da Unesp-Marília, coordenador do grupo de estudos PACTO - Paz, Cultura e Tolerância e coeditor da Brazilian Journal of International Relations - BJIR.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

25/07/2017 a 25/07/2017

Dias e Horários

Terça, 19h30 às 21h30

As inscrições podem ser feitas a partir de 27 de junho às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

Grátis