Atividades

Ciclo discute as mulheres na produção cultural das periferias de São Paulo.

Perspectivas
Estéticas das Periferias - mulheres tomam conta

Voltar para o início Estéticas das Periferias - mulheres tomam conta

Programa

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

A edição 2017 do ciclo de debates terá como tema a presença da mulher na cultura da periferia. As mesas pretendem enfatizar a produção cultural feminina, evidenciando as novas formas de expressão e produção cultural decorrentes da ampliação da presença das mulheres na cena cultural da periferia de São Paulo. A questão de gênero estará no centro dos debates. Dentre as discussões estará o universo trans e suas contribuições com novas formas de se pensar e produzir nas artes. A dimensão racial ocupa um lugar de destaque também dado o perfil da maior parte das debatedoras que afirmam sua condição de mulher negra, explorando esteticamente essa identidade.
Com mediação de Dayane Fernandes.


29/08 - Mulheres no Funk: protagonismo e autonomia
Até meados dos anos 2000 as narrativas do movimento Funk traziam, principalmente, as perspectivas masculinas, sendo a cena composta basicamente por MCs homens. Embora o funk não seja o único estilo musical no qual o machismo é refletido em sua poética, suas músicas são tidas pelo senso comum, hoje, como a expressão na qual essa questão se evidencia ao colocar as mulheres num lugar de subalternidade e sexualização exacerbada. Nos últimos tempos essa relação de subordinação tem sido tensionada com a visibilização de mulheres na cena do Funk que trazem a público o domínio sobre suas decisões e, principalmente, seus corpos. Como se dá a presença e circulação de mulheres no Funk? Quais são suas reivindicações e como se da sua emancipação nesses espaços?
Com Renata Prado e MC Dricka


30/08 - Mesa 2 – Gênero e sexualidade em discussão: resistências e avanços
Muito tem sido falado sobre a crescente onda conservadora e fundamentalista das últimas décadas e os desdobramentos dessa situação para a sociedade como um todo, mas especialmente como isso atinge as minorias. Apesar do fortalecimento de visões conservadoras, alguns avanços foram conseguidos nos debates sobre questões de gênero, raça e sexualidade. A juventude LGBT tem ocupado espaços manifestando suas personalidades e afetividades, trazendo contestações, questionamentos e tensionamentos, além de suas demandas por respeito e direitos. Esse movimento tem se dado não só nos circuitos centrais, mas também nas “quebradas” da cidade. Como se dá essa disputa por espaços simbólicos e subjetivos, mas também (ou por isso mesmo) políticos? Como as artes produzidas nas periferias podem contribuir para as discussões sobre essas questões?
Com Linn da Quebrada e Tiely Queen.


31/08 - Slam: as mulheres dominam a cena
Nas últimas décadas os saraus realizados nas periferias da cidade aumentaram significativamente e, com eles, a literatura marginal ganhou impulso e maior visibilização. Muito próximo aos saraus e em forte relação com estes surgem, a partir dos anos 2000, os campeonatos de poesias, conhecidos como slams. Embora sejam espaços de fortalecimento e visibilidade de vozes historicamente abafadas, a participação e produção das mulheres ainda enfrentam dificuldades e resistências. Como as mulheres desse circuito têm se mobilizado para furar barreiras e construir espaços? Como suas artes e ações contribuem para a construção de discursos contra-hegemônicos não só sobre as representações sobre as periferias de um modo geral, mas também sobre questões de gênero, raça e sexualidade?
Com Luz Ribeiro e Mel Duarte.


As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.
(Foto: Vinícius Depizzol)

Palestrantes

Linn da Quebrada

Linn da Quebrada

Funkeira e rapper, ativista dos direitos trans e moradora e ativista da periferia na Grande São Paulo.
(Foto: Acervo Pessoal)

Dayane Fernandes

Dayane Fernandes

Cientista social. Mestranda em Ciências Sociais pela UNIFESP, tendo como projeto pesquisar a produção cultural de mulheres das periferias da cidade de São Paulo. 

Renata Prado

Renata Prado

Graduanda de Pedagogia da Unifesp. Dançarina de Funk, Apresentadora do Programa web Funk TV Visita e Produtora executiva da festa Batekoo SP.

MC Dricka

MC Dricka

Canta funk há 7 anos. Integra a produtora de funk Gr6 eventos.

Tiely

Tiely

Artista, cineasta, cantor/rapper, escritor, dançarino, batuqueiro. Fundador da inciativa "Hiphop Mulher".

Mel Duarte

Mel Duarte

Poeta, slammer e produtora cultural formada em comunicação social, atua com literatura independente desde 2006.

Luz Ribeiro

Luz Ribeiro

Participante de saraus e slam's da cidade de São Paulo. Autora dos livros: “Eterno contínuo” (2013), “Espanca” e “Estanca”.

Data

29/08/2017 a 31/08/2017

Dias e Horários

Terça a Quinta, 16h30 às 18h30. As inscrições podem ser feitas a partir de 25 de julho às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 15,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 25,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 50,00 - inteira

Inscreva-se agora