Atividades

Trajetórias feministas no campo da cultura e política da América Latina

Perspectivas
Mulheres na América Latina: política, cultura e gênero

Voltar para o início Mulheres na América Latina: política, cultura e gênero

Programa

Qual a participação das latino-americanas em duas das principais esferas de atuação dos sujeitos históricos, a arte e a política? Há uma especificidade feminina nos campos artístico e cultural? De que maneira as particularidades da experiência feminina e latino-americana se relacionam à militância política?

O curso pretende retratar a trajetória de mulheres de diferentes países da América Latina que atuaram nos âmbitos político e cultural, em variados contextos históricos.

O primeiro eixo, “Gênero e Produção Cultural”, versará sobre a produção de relatos de viagem por mulheres latino-americanas que circularam por diferentes países e abarcará a atuação feminina nas artes plásticas e no mecenato cultural entre os séculos XIX e XX.

No segundo, intitulado “Mulheres e Política”, discutiremos a experiência de personagens dos séculos XX e XXI com marcantes atuações na esfera pública, que viveram o exílio político, participaram do movimento feminista e refletiram sobre questões como maternidade, militância e aborto, temas ainda candentes na atualidade.

20/02. Entre mundos: viajantes latino-americanas entre os continentes americano e europeu
Muitas mulheres do século XIX, apesar de frequentemente atreladas à esfera doméstica, viajaram para o exterior e escreveram sobre o visto e o vivido, expressando suas opiniões publicamente. Esta sessão abordará as trajetórias de viajantes latino-americanas pelos Estados Unidos e Europa neste período a partir de seus relatos e diários.
Palestrante: Stella Maris Scatena Franco.

22/02. Antonieta Rivas Mercado: fortunas e misérias de uma provedora das artes no México
Antonieta Rivas Mercado (1900-1931) teve expressiva atuação no campo da cultura mexicana nos anos 1920. Sua luta para abrir horizontes para a participação de mulheres no espaço público e os custos pessoais assumidos por ela para ultrapassar a linha demarcatória do sistema de representações para cada gênero serão focos desta análise.
Palestrante: Romilda da Costa Mota.

27/02. Arte e relações de gênero no Brasil do século XX: trajetória e produção da artista Georgina de Albuquerque
Georgina de Albuquerque (1885-1962) foi uma pintora de prestígio no campo artístico brasileiro durante o século XX, tendo significativa produção pictórica. Porém, como muitas outras mulheres artistas, seu nome e sua produção não foram retidos pela historiografia da arte brasileira. Esse encontro terá como objetivo tratar de sua trajetória e produção à luz dos estudos sobre arte e gênero.
Palestrante: Manuela Henrique Nogueira

01/03. Da ação ao verbo: o exílio criativo de Lídia Besouchet na Argentina da década de 1940
Militante comunista durante os anos 1930, a escritora Lídia Besouchet (1908-1997) atuou como mediadora política e cultural no exílio. Sua intensa colaboração no intercâmbio intelectual entre Brasil e Argentina nos anos 1940, por meio de projetos editoriais e literários vinculados a uma complexa rede de intelectuais é parte central da abordagem.
Palestrante: Livia de Azevedo Silveira Rangel.

06/03. Profissionalização de gênero? A questão da autonomia na imprensa feminista na Argentina e no Chile entre 1981 e 1996.
A redemocratização na América Latina foi acompanhada pelas políticas neoliberais, trazendo novas problemáticas para os feminismos, especialmente no tocante à autonomia do movimento em relação ao Estado e às ONGs. Essas questões serão analisadas a partir dos debates publicados na imprensa feminista na Argentina e no Chile entre 1981 e 1996.
Palestrante: Julia G. S. Oliveira.

08/03. Aborto e direitos reprodutivos: o que dizem as mulheres?
O aborto é indiscutivelmente tema polêmico no Brasil, configurando crime de acordo com o Código Penal vigente, a despeito do alarmante número de abortos induzidos por ano. Este tema será abordado à luz de histórias de quem as protagonizou, procurando-se trazer à tona seus aspectos subjetivos.
Palestrante: Marcela Boni.

(Foto: Divulgação)

Palestrantes

Stella Maris Scatena Franco

Stella Maris Scatena Franco

Docente de História da América Latina Independente do Departamento de História da Universidade de São Paulo (USP). Desenvolve trabalhos de pesquisa na interface entre cultura, política e de gênero. Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Gênero e História (GRUPEG-Hist/USP).
(Foto: Acervo Pessoal)

Romilda da Costa Mota

Romilda da Costa Mota

Doutora em História (2015) pelo Departamento de História Social, FFLCH-USP, na área de História da América. É autora de José Vasconcelos: as Memórias de um "profeta rejeitado"; membro do LEHA (Laboratório de Estudos de História das Américas) e do Grupo de História e Gênero (USP) e docente no Unasp-SP.
(Foto: Acervo Pessoal)

Manuela Henrique Nogueira

Manuela Henrique Nogueira

Mestra pelo Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo onde desenvolveu pesquisa sobre as relações entre arte e gênero no Brasil. Integrante do Grupo de Pesquisa em Gênero e História (GRUPEG-HIST) vinculado ao Departamento de História da Universidade de São Paulo. Especializou-se em Fundamentos da Cultura e das Artes no Instituto de Artes da UNESP.
(Foto: Acervo Pessoal)

Livia de Azevedo Silveira Rangel

Livia de Azevedo Silveira Rangel

Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo. Pesquisadora em Estudos de Gênero e Feminismos em diálogo com o campo de História das Américas. Autora de artigos e capítulos em livros como "Mulher e Gênero em debate: representações, poder e ideologia" (Editora UFES, 2015) e "Dicionário Crítico de Gênero" (Editora UFGD, 2015).
(Foto: Acervo Pessoal)

Julia G. S. Oliveira

Julia G. S. Oliveira

Doutoranda em História Social na Universidade de São Paulo (FFLCH/USP), coordenadora do Grupo de Pesquisa em Gênero e História (GRUPEG-Hist) e pesquisadora no campo de gênero, feminismo e América Latina.
(Foto: Acervo Pessoal)

Marcela Boni Evangelista

Marcela Boni Evangelista

Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). É pesquisadora do Núcleo de Estudos de História Oral (NEHO-USP) e do Grupo de Pesquisa em Gênero e História da USP (GRUPEG-HIST). Entre os anos de 2001 e 2008 integrou a equipe do Núcleo de Estudos da Violência (NEV-USP).
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

20/02/2018 a 08/03/2018

Dias e Horários

Terças e Quintas, 19h30 às 21h30

As inscrições podem ser feitas a partir de 23 de janeiro às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira