Atividades

Curso aborda o novo cinema argentino

Contextos
O som da terra a tremer: o cinema de Lucrecia Martel

Voltar para o início O som da terra a tremer: o cinema de Lucrecia Martel

Programa

Lucrecia Martel é uma das mais proeminentes cineastas contemporâneas, referência na produção audiovisual da América Latina e nome fundamental para se entender o denominado "nuevo cine argentino".

O curso pretende revisitar e repensar sua filmografia através das projeções de seus longas e curtas-metragens seguidas de comentários e debates que abordam pontos importantes de sua poética - como a utilização do som, as dinâmicas familiares e sociais, a perda da fé e o poder do desejo, entre outros - e contextualizam sua obra no panorama do cinema argentino recente.

Programação

1. Introdução: contexto de florescimento do "nuevo cine argentino", considerações iniciais sobre a obra de Lucrecia Martel. Exibição dos curtas:
Você não vai levá-la, desgraçado (No te la llevarás, maldito, 1989, 1’)
A outra (La otra, 1989, 10’)
Rei morto (Rey muerto, 1995, 12’, parte da coletânea Histórias breves I)
Trechos de As dependências (Las dependencias, sobre Silvina Ocampo) e Encarnación
Ezcurra, ambos de 1999, parte de uma série sobre escritoras argentinas feita para a
televisão.

2. O pântano (La ciénaga, 2001, 103’)
SINOPSE: Fevereiro no noroeste argentino. Sol que parte a terra e chuvas tropicais. No
morro algumas terras alagam. Essas ciénagas, lamaçais, são armadilhas mortais para
os animais de passo pesado. Por outro lado, são fervedouros de bichinhos felizes. Esta
história não trata de ciénagas, mas da cidade de La Ciénaga e arredores, onde vivem
as primas Mecha e Tali com seus maridos e filhos. Dois acidentes reunirão estas duas
famílias no campo, onde tratarão de sobreviver a um verão do demônio.

3. A menina santa (La niña santa, 2004, 106’)
SINOPSE: As adolescentes da pequena cidade de La Ciénaga se reúnem na igreja
para discutir assuntos doutrinários. Por estes dias, as conversas giram em torno da
vocação. As amigas Amalia e Josefina, quando não participam acaloradamente da
discussão, cochicham sobre beijos e carícias. Ao ter um encontro nada convencional
com um médico que está de passagem, Amalia, confundida entre sua devoção religiosa
e um desejo que aflora, assume para si a missão de salvar esse homem do pecado.

4. A mulher sem cabeça (La mujer sin cabeza, 2008, 87’).
SINOPSE: Na estrada, justo antes da chuva, quando se distraiu atendendo o celular,
Vero atropelou algo – ou alguém. Em sua superfície, o filme é isso: a sombra de uma
dúvida; a história de uma mulher que de repente “não reconhece os sentimentos que a
unem às coisas e às pessoas”, como sugeriu Martel em várias entrevistas. Porém, a
narrativa vai se desdobrando em um complexo tecido de subtextos e ambiguidades que
trazem novos sentidos.

5. Zama (idem, 2017, 115’)
SINOPSE: Zama, um oficial da Coroa Espanhola, aguarda uma carta do Rei para ser
transferido das paragens pantanosas onde se encontra a um lugar melhor. Quando
percebe que isso não vai acontecer, se junta a um grupo de soldados na busca por um
perigoso bandido. Baseado no romance homônimo de Antonio Di Benedetto, lançado
em 1956.

6. Anos luz (Años luz, Manuel Abramovich, 2017, 72’)
SINOPSE: “Eu estou anos luz de ser a protagonista de um filme”, diz Lucrecia Martel a
Abramovich quando este lhe conta por e-mail sua ideia de um documentário em que ela
seja a personagem principal. Nesse retrato de Martel durante a rodagem de Zama, o
“intruso” Abramovich captura o meticuloso trabalho da diretora e a cálida, humana e
divertida precisão com que ajusta cada detalhe dos planos de seu filme.

Trechos dos curtas-metragens:
A cidade que foge (La ciudad que huye, 2006, 5’, realizado para o projeto sobre
arquitetura e cidade “La ciudad en ciernes”)
Nova Argirópolis (Nueva Argirópolis, 2010, 8’, parte da coletânea 25 miradas, 200
minutos, em comemoração ao Bicentenário de Independência da Argentina)
Peixes (Pescados, 2010, 4’, realizado para o Notodo Film Fest)
Muta (idem, 2011, 7’, realizado para a série “The Women’s Tales”, da grife Miu Miu)
Léguas (Leguas, 2015, 10’, parte da coletânea El aula vacía, produzida por Gael García
Bernal)

Comentários finais e balanço do minicurso.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto:  Cena do filme "O pântano" - Lita Stantic Producciones)

Palestrantes

Natalia Christofoletti Barrenha

Natalia Christofoletti Barrenha

Doutora em Multimeios pela UNICAMP. Autora do livro "A experiência do cinema de Lucrecia Martel: resíduos do tempo e sons à beira da piscina" (Alameda, 2014). Realiza pesquisa de pós-doutorado no Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP.
(Foto: Gustavo Lemos)

Data

17/07/2018 a 03/08/2018

Dias e Horários

Terças e Sextas, 15h às 18h.

As inscrições podem ser feitas a partir de 27 de junho às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira