Atividades

A performatividade produzida pela moda e seus sistemas de representação

Contextos
Política das aparências: moda e sistemas de representação

Voltar para o início Política das aparências: moda e sistemas de representação

Programa

Imagine que há um homem e ele pensa ser o centro do universo. Ele constrói então um mundo desenhado à sua volta, ele no centro. Deste corpo central saem feixes que se expandem em direção ao mundo e criam a realidade conhecida. Este homem chamou este processo de perspectiva linear.

Só que para a perspectiva linear fazer sentido, este homem despreza algumas características fundamentais: a curvatura da terra e o fato de que o horizonte nunca é estável. Assim, a perspectiva linear baseia-se em uma abstração e não corresponde a qualquer percepção subjetiva.

Por meio deste rasante histórico, descrevi qual o tipo de homem que produziu o que conhecemos como Renascimento. Foi neste período que a moda como a conhecemos teve origem, assim como o capitalismo. O que a moda produzida a partir da ascensão da burguesia e do capital pode dizer da atualidade? A qual sistema de representação está atrelada? Será que, assim como a perspectiva linear que é a prima donna dos conceitos renascentistas, a moda também já nasce uma abstração? E a quem esta abstração estaria a serviço?

Pautado pelo trabalho Fleshion, de Thelma Bonavita, a ideia é esgarçar estas perguntas e aumentar o ritmo e tempo do ponto de interrogação.

O encontro propõe elaborar perguntas junto com os participantes que tracem um percurso de entendimento do que são sistemas de representação, de como a moda é um dos maiores espelhos sociais da atualidade (transformando em imagem aquilo que é produção de subjetividade) e se presta à fabricação de corpos e vidas pautada pelo capital.


As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Igor-Ovsyannykov CC3.0)

Palestrantes

Karlla Girotto

Karlla Girotto

Artista, professora e pesquisadora nas áreas de artes visuais e subjetividade. Mestre em Psicologia Clínica pelo Núcleo de Estudos da Subjetividade PUC/SP tem como principais eixos de pesquisa: modos de existência como produção artística e as linhas fronteiriças entre linguagens artísticas hibridas que se dão nos processos de criação e produção de subjetividades. Coordena o grupo de estudos dentro do contexto G>E grupo de pesquisa e propostas estéticas (https://www.facebook.com/grupomaiorqueeu/) que gerou o projeto Ateliê Vivo (https://www.facebook.com/atelievivo/)  ambos sediados na Casa do Povo juntamente com seu ateliê.
(Foto: Karla Girotto)

Data

04/11/2017 a 04/11/2017

Dias e Horários

Sábado, 10h às 12h

As inscrições podem ser feitas a partir de 26 de outubro às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 4,50 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 7,50 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 15,00 - inteira