Atividades

Existe uma forma de comicidade tipicamente brasileira? Quais são os substratos históricos da malandragem que nos define? Que tipo de pressão a famosa obra exerce até hoje sobre a cultura brasileira, seja na literatura, no cinema, na televisão...?

Contextos
Porque ler as “Memórias de um sargento de milícias”, de Manuel Antonio de Almeida

Voltar para o início Porque ler as “Memórias de um sargento de milícias”, de Manuel Antonio de Almeida

Programa

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

As Memórias de um sargento de milícias constituem uma divertida crônica histórica que nos ajuda não somente a compreender a mentalidade social da primeira metade do século XIX, quando o país começou a dar seus primeiros passos rumo ao desenvolvimento econômico e à autonomia, como também a reconhecer alguns dos traços daquela mentalidade que sobrevivem até os dias de hoje.

O romance divide-se entre a radiografia de um momento histórico essencial para a formação da nossa identidade - o Rio de Janeiro sob o governo de D. João VI - e a captação de uma visão desencantada da existência, tratada em chave de derrisão.

A atração exercida pela obra - de viva e impressionante atualidade - está garantida pela vasta galeria de tipos populares que ela apresenta. "As Memórias nos dão, na verdade, um corte sincrônico da vida familiar brasileira nos meios urbanos em uma fase em que já se esboçava uma estrutura não mais puramente colonial, mas ainda longe do quadro industrial-burguês", afirma o professor Alfredo Bosi na História concisa da literatura brasileira.

Trata-se de um vigoroso documento literário que procura demonstrar a presença na cultura brasileira do conceito do "típico popular".

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

(Ilustração Francisco Acquarone, para a primeira edição do Vol.1 da Biblioteca de Literatura Brasileira Rio de Janeiro Livraria Martins 1941)

Palestrantes

Welington Andrade

Welington Andrade

Doutor em Literatura Brasileira pela USP, professor da Faculdade Cásper Líbero, editor da revista Cult.
(Foto: Acervo Pessoal)

Data

18/08/2017 a 18/08/2017

Dias e Horários

Sexta, 10h às 13h

As inscrições podem ser feitas a partir de 25 de julho às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 4,50 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 7,50 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 15,00 - inteira