Atividades

Aportes desafios sobre a preservação de arquiteturas degeneradas na contemporaneidade

Gestão Cultural
Ruína e patrimônio

Voltar para o início Ruína e patrimônio

Programa

Arquiteturas em estado de arruinamento têm constituído desde o Renascimento um profícuo campo de experimentações, aplicações de métodos, práticas e digressões teóricas referentes ao patrimônio edificado.

O desafio de lidar com esse tipo de situação tem se renovado continuamente e se revelam através de situações pujantes na contemporaneidade como: o tratamento de arquiteturas que compõe sítios arqueológicos; o tratamento de patrimônios arquitetônicos em grave processo de degeneração; e a destruição de bens culturais acometidos por incidentes provocados por causas naturais ou antrópicas.

O curso apresenta a complexidade que envolve o tratamento de bens arquitetônicos danificados considerando que a ruína, em princípio, é a antítese dos propósitos finais da preservação. Quais são os principais paradoxos e limiares que incidem na identificação, compreensão e tratamento desse tipo de bem?
O que pode ser entendido como ruína nos debates patrimoniais? Em que medida as marcas da destruição são incorporadas às propostas de intervenção nesses bens?

Programa
- A noção de ruína
Uma possível definição.
Incidência do tema nas teorias da preservação.

- Ruína e políticas de preservação
Panorama Brasileiro.
Outros contextos culturais.

-Tempo e ruína
Identificação e tratamento de patrimônios arquitetônicos cujo estado de ruína é produto da passagem do tempo.

- Incúria e ruína

Identificação e tratamento de patrimônios arquitetônicos cujo estado de ruína é derivado da insuficiência das ações de salvaguarda.

- Incidente e ruína
Identificação e tratamento de patrimônios arquitetônicos acometidos por súbitos incidentes.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Se você necessita de recursos de acessibilidade, como tradução em Libras, audiodescrição, entre outros, solicite por e-mail ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade. centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Divulgação)

Palestrantes

Angela Rosh Rodrigues

Angela Rosh Rodrigues

Doutora pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU USP), onde desenvolveu pesquisa em História e Fundamentos da Arquitetura e Urbanismo na área de patrimônio histórico e preservação de bens culturais - tema: ruínas, abordagens e tratamento.
(Foto: Acervo Pessoal)

Bibliografia

AUGÉ. Marc. Le temps en ruines. Paris: Galilé, 2003.
BALDINI, Umberto. Teoria del restauro e unità di metodologia. Firenze: Nardini Editore, 1981.
BARBANERA, Marcello e CAPODIFERRO, Alessandra (a cura di). La forza delle rovine. Milano: Mondadori Electa S. p. A., 2015.
BILLECI, Bruno; GIZZI, Stefano; SCUDINO, Daniela (Editor). Il rudere tra conservazione e reintegrazione: atti del convegno internazionale. Sassari: Università degli studi di Sassari 2003.
BRANDI, Cesare. Teoria da restauração. Trad. Beatriz Mugayar Kühl. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2004.
CARBONARA, Giovanni. Architetture d`oggi e restauro - Un confronto antico-nuovo. Turim: Utet, 2013.
____________. Avvicinamento al restauro. Napoli: Liguori, 1997.
CARENA, C. Ruína/restauro. In: RUGGIERO, R. (dir.). Enciclopédia, v. 1 (Memória-história). Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1984.
CURY, Isabelle (org.). Cartas Patrimoniais. Rio de Janeiro: IPHAN, 2004.
Faut-il restaurer les ruines? Actes des Colloques de la Direction du Patrimoine. Paris: Piccard, 1991.
GILYARD-BEER, Roy. Ruins as documents. Rome, International Centre for Conservation, 1974.
JEUDY, Henri-Pierre. Espelho das cidades. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2005.
JOKILEHTO, Jukka I. A History of Arhitectural Conservation. Oxford: Butterworth-Heinemann, 2005.
KÜHL, Beatriz M. Notas sobre a Carta de Veneza. Anais do Museu Paulista. São Paulo, v.18, n.2, p.287-320, jul.-dez/2010.
Quatremère de Quincy e os verbetes Restauração, Restaurar, Restituição e Ruína de sua Encyclopédie méthodique. Architecture. Rotunda(eletrônica), Campinas, n.2, p.100-117, ago./2003.

Data

09/10/2018 a 06/11/2018

Dias e Horários

Terças, 10h às 13h.

As inscrições podem ser feitas a partir de 26 de Setembro, às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira