Atividades

Reflexão sobre algumas das principais teorias sobre a memória, e sobre como fazer um projeto por meio do método da História Oral

Encontros Sesc Memórias
Teorias da Memória e História Oral

Voltar para o início Teorias da Memória e História Oral

Programa

A memória não distorce as coisas? A maior distância entre dois pontos não seria o tempo? O pesquisador pode confiar na memória de seu "depoente"?

É essencial que se aborde algumas das principais teorias da memória, para podermos explorar no que consiste o método da história oral e por que ele é importante.

A memória foi tema da filosofia, da sociologia, da semiótica, psicologia, história, e de outras ciências. No curso, vamos destacar uma teoria da memória desenvolvida pelo filósofo metafísico Henri Bergson.

Na sequência, a crítica sociológica de Maurice Halbwachs à metafísica de Bergson. E, ainda, uma referência importante: a teoria semiótica da memória de Iúri Lótman, estudioso estoniano. Finalizamos com os conhecimentos necessários para se desenvolver um projeto de pesquisa tendo como método a história oral.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Jose Luis Cernadas Iglesias - Wikimedias Commons CC 2.0)

Palestrantes

Marcos Antônio Gigante

Marcos Antônio Gigante

Mestre e Doutor em História pela Unesp (Franca), atuando principalmente nos seguintes temas: memória e história oral. Leciona no Centro Universitário Central Paulista (São Carlos-SP).
(Foto: Divulgação Unicef)

Bibliografia

AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes. (coord). Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1996.
ARÓSTEGUI, Julio. A pesquisa histórica: teoria e método. Trad. Andréa Dore. Bauru-SP: Edusc, 2006. 592 p.
BERGSON, Henri. Matéria e memória. Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. Trad. Paulo Neves da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 1990.
BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: lembranças de velhos. 3 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
FERREIRA, Jerusa Pires. Cultura é memória. Revista USP. São Paulo, n. 24, p.114-120, dez./jan./fev.1995.
GIGANTE, Marcos Antônio. Guerreiros sem armas: êxodo rural e memória de velhos trabalhadores (Tarumã-SP, 1960-1980). 1999. 249 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Estadual Paulista, Franca-SP, 1999.
______. História oral de idosos asilados em São Carlos-SP. Velhice, asilo e memória da cidade (1950-2008). 2008. 225 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Estadual Paulista, Franca-SP, 2008. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=111255>. Acesso em: 09 nov. 2017.
______ . Memória e História em Pierre Nora e em Iúri Lótman. Multiciência, São Carlos-SP, v. 7, p. 136-144, 2006.
HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, Ed. Revista dos tribunais, 1990.
HOBSBAWM, Eric. A outra história: algumas reflexões. In: KRANTZ, Frederick (Org.). Ideologia e protesto popular nos séculos XVII a XIX. Trad. Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.
LE GOFF, Jacques. História e memória. Trad. Bernardo Leitão et al. 3. ed. Campinas-SP: Ed. Unicamp, 1994.
LÓTMAN, Iúri M.; USPENSKII, Boris; IVANÓV, V. Ensaios de Semiótica Soviética. Lisboa: Livros Horizonte, 1981.
MANCUSO, Maria Inês Rauter Mancuso. A cidade na memória de seus velhos: estudo sobre São Carlos, Itirapina e arredores. 1998. 241 f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. 4 ed. revista e ampliada. São Paulo: Loyola, 2002.
MENESES, Ulpiano B. de. Identidade cultural e arqueologia. In: BOSI, Alfredo. Cultura Brasileira: temas e situações. São Paulo: Ática, 1987. p. 182-190.
NEVES, Eloiza; BRITO; Fábio Bezerra; TALARICO, Fernando; LIMA, Luís Felipe Silvéio; MOURA, Ricardo; RIBEIRO, Suzana Lopes Salgado. Sobre história oral: o NEHO e a experiência de pesquisa em história oral. USP: FFLCH. Disponível em: <www.fflch.usp.br/dh/neho/temporaes.htm>. Acesso em: 16 out. 2004.
QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Relatos orais: do ¿indizível' ao ¿dizível'. In: Ciência e Cultura. São Paulo, 39(3), p. 272-286, mar. 1987.
VANSINA, J. A tradição Oral e sua metodologia. In: História Geral da África. V. I: Metodologia e pré-história da África. Coord. J. Ki-Zerbo. Trad. Beatriz Turqueti et. al. SP: Ática.

Data

13/01/2018 a 20/01/2018

Dias e Horários

Sábados, 10h às 18h

As inscrições podem ser feitas a partir de 19 de dezembro às 14h, aqui no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Local

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 - 4º andar
Bela Vista - São Paulo.

Valores

R$ 18,00 - credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes
R$ 30,00 - pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante
R$ 60,00 - inteira